Sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Fair

Brasil O ex-ministro da Educação Paulo de Tarso Santos morre aos 93 anos em São Paulo

O político estava internado no Hospital Albert Einstein, onde passava por tratamento de saúde. (Foto: Reprodução/TCE-SP)

O ex-ministro da Educação Paulo de Tarso Santos, conselheiro emérito do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo), morreu neste sábado (13) aos 93 anos em São Paulo. Ele estava internado no Hospital Albert Einstein, onde passava por tratamento de saúde. As informações são do portal de notícias G1 e do TCE-SP.

Paulo de Tarso Santos foi o primeiro prefeito de Brasília, em 1962, durante o governo Jânio Quadros, e ministro da Educação na gestão de João Goulart.

Durante o regime militar, Paulo de Tarso viveu no Chile como exilado político entre os anos de 1964 e 1970, quando trabalhou na Organização das Nações Unidas. De volta ao Brasil, foi secretário da Educação, em 1983, no governo Franco Montoro.

Também foi vereador de São Paulo em 1964 e deputado federal por duas legislaturas (1959 e 1970). Era formado em Direito pela Universidade de São Paulo e foi conselheiro do Tribunal de Contas por seis anos.

O TCE-SP lamentou sua morte por meio de uma nota de pesar.

O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP), manifesta o seu pesar pelo falecimento do Conselheiro Emérito Paulo de Tarso Santos, aos 93 anos, ocorrido neste sábado, 13 de julho, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Advogado com formação pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), Paulo de Tarso integrou o colegiado da Corte de Contas paulista, entre os anos de 1985 a 1991, tendo sido o vigésimo sétimo Presidente. Neste momento de irreparável perda, o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, em nome de seus Conselheiros, Diretores e servidores, se solidariza com familiares e amigos, informando a decretação de luto oficial, com o hasteamento das bandeiras a meio-mastro”, diz a nota.

Segundo o TCE-SP, o sepultamento será às 13h deste domingo (14), no Cemitério Gethsêmani, em São Paulo.

Histórico

Paulo de Tarso Santos nasceu em Araxá, no Estado de Minas Gerais, em 12 de janeiro de 1926, onde iniciou seus estudos no Colégio Dom Bosco (1937/1941). Transferiu-se para a cidade de São Paulo em 1942, onde iniciou o secundário no Colégio Universitário São Bento, concluindo os estudos no Colégio Universitário anexo à Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Em 1944 iniciou o curso de direito da Faculdade de Direito de São Paulo, graduando-se bacharel em 1949.

No ano de 1946 ingressou na vida pública como Vereador na cidade de São Paulo, posteriormente, foi Deputado Federal por duas legislaturas (1959 e 1963). Foi o Primeiro Prefeito de Brasília em (1962, e Ministro da Educação, em 1963).

Viveu no Chile como exilado político (1964 -1970), trabalhando na ONU. De volta ao Brasil, foi Secretário de Estado da Educação, em 1983. Em 1973 especializou-se em Direito Processual Civil pela Pontifícia Universidade Católica – PUC e, em 1974, aperfeiçoou-se em Direito Empresarial pela mesma Universidade.

Participou de diversos eventos dentro de sua área, destacando-se o seminário sobre a Nova Lei das Sociedades Anônimas em 1977, e o X Congresso Mundial de Direito. Além de docente do Curso de Preparação à Magistratura e ao Ministério Público, exerceu atividades profissionais como estagiário no Escritório de Advocacia do Prof. Bonilha (1946/1947), e no Departamento Jurídico do Banco Brasileiro de Descontos S/A (1948/1952).

Foi advogado associado do Escritório de Advocacia Professor Vicente Ráo e Dr. Saulo Ramos, no período de 1973/1985. Publicou as seguintes obras: “Os Cristãos e a Revolução Social” (1963); “O Diálogo no Grande Sertão Veredas – Guimarães e Riobaldo” (1978); “Dialogar é Preciso” (1981); “64 e Outros Anos” (1984); “A Lógica do Compadre” 1991) e “Arbitragem e Poder Judiciário – Mudança Cultural” (2001).

Em 14 de julho de 1985 foi nomeado para o cargo de Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP). Empossado em 25 de julho de 1985, foi o 27º Presidente da Corte e tornou-se Conselheiro Emérito em 20 de março de 1991.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

“Bolsonaro precisa avaliar se Eduardo tem condições de assumir embaixada”, diz o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia
“O Congresso está mais forte por causa do governo sem coalizão de Bolsonaro”, diz o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia
Deixe seu comentário
Pode te interessar