Quarta-feira, 27 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
10°
Fair

Brasil “Governo de Bolsonaro vai bem porque está dando sequência ao meu”, afirma Temer

Compartilhe esta notícia:

O ex-presidente Michel Temer e o atual chefe do Executivo federal, Jair Bolsonaro. (Foto: Alan Santos/PR)

“O governo de Bolsonaro vai bem porque está dando sequência ao meu”, disse o ex-presidente da República Michel Temer em uma entrevista para a BBC News Brasil. Atualmente, Temer é um homem com tempo. Quase oito meses depois de deixar a Presidência, ele está em dia com os principais lançamentos da plataforma Netflix: assistiu às minisséries “Olhos que Condenam” e “Guerras Brasileiras”, além de “Os Últimos Czares”.

Temer passa os dias entre o escritório de advocacia e a casa onde mora com a mulher, Marcela, e o filho Michelzinho, de 10 anos, em São Paulo. Ocupa-se também da própria defesa: é réu em seis processos e chegou a ser preso em março e depois em maio, em um caso comandado pelo juiz Marcelo Bretas, responsável pelo braço carioca da Operação Lava-Jato. Por fim, dedica-se a seu novo projeto, um romance que qualifica como “uma ficção da minha biografia”.

“Romance é uma coisa assim, é um trabalho, você escreve, de repente você volta, rasga aquilo, escreve, reescreve”, explicou Temer na entrevista concedida no seu escritório na capital paulista. Na conversa, Temer repassou pontos do seu governo, que chama de “reformista”, e elogiou o atual presidente Jair Bolsonaro por dar “continuidade” a seu programa, o que inclui a aprovação da reforma da Previdência e a proposta de uma reforma tributária.

“Eu me recordo, quando presidente da República, eu dizia: ‘Olha, será bem sucedido o presidente que der sequência àquilo que estou fazendo’. Do jeito que as coisas vão indo, o governo vai bem, porque está dando sequência ao nosso governo”, disse.

O político do MDB comentou ainda seus dias atrás das grades, a prisão e o ostracismo dos antigos companheiros políticos, as conversas atribuídas ao ex-juiz federal Sérgio Moro e ao procurador Deltan Dallagnol e a conversa que teve com o empresário Joesley Batista, cuja divulgação detonou a maior crise política do seu governo e quase o derrubou.

Com as mãos sobre uma cópia da Constituição, que fez questão de colocar em cima da mesa, ele se comparou ao protagonista da série americana “Designated Survivor”, na qual um secretário de governo é alçado à Presidência depois da morte do presidente e de todo o resto do gabinete.

“Eu digo com toda a franqueza, o governo Lula fez, digamos assim, que os mais pobres, que eram praticamente invisíveis, se tornassem visíveis, por meio do Bolsa Família, depois, com a presidente Dilma, com o Minha Casa, Minha Vida, que, na verdade, são meros cumprimentos do que estabelece a Constituição Federal”, declarou Temer sobre os governos do PT.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Com as mudanças, a reforma da Previdência vai pesar ainda mais para o funcionário privado do que para o público
Ações contra o INSS só serão aceitas na Justiça Federal. A reforma da Previdência tira da Justiça Estadual o poder de julgar processos previdenciários
Deixe seu comentário
Pode te interessar