Quinta-feira, 09 de Abril de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Fair

Brasil O governo federal decretou o sigilo das informações sobre as visitas feitas ao presidente Michel Temer

Decisão foi tomada após questionamentos sobre encontros de Temer com Marcelo Odebrecht e Joesley Batista. (Foto: Reprodução)

O GSI (Gabinete de Segurança Institucional) da Presidência da República classificou como “reservadas” informações sobre o registro de entradas e saídas do Palácio do Jaburu, depois de a reportagem do O Globo ter pedido acesso a dados sobre os encontros mantidos pelo presidente Michel Temer com os empresários Marcelo Odebrecht e Joesley Batista.

O GSI forneceu informação semelhante sobre a gestão Dilma Rousseff, mas se negou a revelar dados sobre Temer. Após uma série de recursos, em 30 de agosto os documentos foram classificados pelo GSI depois de a CGU (Controladoria-Geral da União) ter questionado a pasta sobre o tema.

O primeiro pedido do registro de entradas foi feito em 17 de abril. Após a divulgação da delação da Odebrecht, O Globo solicitou os registros de entrada e saída do empresário Marcelo Odebrecht, do executivo Cláudio Mello Filho e de quem mais os estivesse acompanhando no dia 28 de maio de 2014, quando foram recebidos por Temer e o ministro Eliseu Padilha para um jantar. O segundo questionamento foi feito em 22 de maio, após vir a público a delação de Joesley Batista e a gravação feita por ele de uma conversa com o presidente.

O GSI negou o acesso em junho afirmando que “não divulga registros de entrada e saída aos Palácios do Jaburu e Alvorada por tratar-se de procedimentos operacionais, de acesso restrito a este Gabinete, que têm como objetivos viabilizar as agendas, oficiais ou privadas, do Presidente e do Vice-Presidente da República e atender necessidades relacionadas à administração, segurança e logística das residências oficiais”.

O órgão, porém, informou no mesmo mês de junho em resposta a outro pedido do jornal que não há registro da entrada da marqueteira Mônica Moura e do ex-assessor Giles Azevedo no Palácio da Alvorada nas datas mencionadas por ela em sua delação.

O Globo impetrou novo recurso contra a decisão e o tema passou a ser debatido pela CGU, órgão responsável por monitorar a aplicação da lei. Em 24 de agosto, a CGU debateu o tema em uma reunião no GSI. Seis dias depois, a pasta que cuida da segurança da Presidência optou por classificar o documento como “reservado”, impedindo assim que seja divulgada a informação até o término do mandato de Temer, em 31 de dezembro de 2018. A CGU informou nesta segunda-feira (16) sobre a classificação da informação e anexou correspondência recebida do GSI.

Além do pedido feito pelo O Globo, a decisão abrange outros dois pedidos de informações sobre o acesso a residências oficiais e ao Palácio do Planalto. O Globo vai recorrer, pedindo a desclassificação da informação.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Cerca de 3 milhões de jovens devem largar o ensino médio até o fim do ano
O namoro na Terceira Idade previne a depressão e melhora a saúde, contribuindo para o aumento da vontade de viver
Deixe seu comentário
Pode te interessar