Segunda-feira, 03 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Fair

Brasil O Supremo anunciou o combate a fake news

Compartilhe esta notícia:

Mensagens demonstram Dallagnol pediu investigação sigilosa sobre o ministro do STF.
Mensagens demonstram que Dallagnol pediu investigação sigilosa sobre o ministro do STF.

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, anunciou que em junho será lançado um painel multisetorial de checagem de informações e combate a fake news, em parceria com veículos de comunicação, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e entidades de classes de magistrados.

“Estaremos trabalhando com o objetivo de alertar os leitores e os internautas sobre os perigos do compartilhamento de informações duvidosas, além de orientar sobre como checar a veracidade das notícias que recebem”, disse Toffoli.

“Iniciativas como essa são necessárias tendo em vista que a Justiça brasileira tem lidado diariamente com temas sensíveis e que podem afetar a vida dos cidadãos, se o teor de suas decisões for distorcido.”

Toffoli defendeu que a nomenclatura para o fenômeno seja “desinformação”, que explica melhor a abrangência que o tema exige. Disse não ter dúvidas que a campanha coordenada de mentiras é uma tentativa de descredenciar todas as instituições e Poderes do Brasil.

“Combater a desinformação é garantir o acesso à informação e ao verdadeiro pensamento livre. Não há dúvida que a liberdade e a informação são os melhores remédios contra a proliferação de conteúdo inverídico”, disse Toffoli.

Por fim, o presidente do STF anunciou a criação de um painel multissetorial envolvendo a corte e diversas entidades, entre elas a ConJur, para criar métodos e orientações sobre como checar notícias fraudulentas.

O anúncio foi feito no evento “Fake News – Desafios para o Judiciário”, promovido na sexta-feira (24) pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

O diretor de Redação da Folha, Sérgio Dávila, comentou o momento do jornalismo profissional diante das notícias falsas. “A tarefa precípua do jornalismo é separar as news das fake news e publicar as news”, disse Dávila. “A diferença agora é que as fake news encontraram nas redes sociais um acelerador de partículas que as torna quase irresistíveis.”

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, também comentou o papel que a imprensa pode desempenhar nesse cenário.

“A imprensa precisa decidir se quer ter o papel de induzir o comportamento dos seus eleitores, segundo algum tipo de viés político e ideológico, ou aprofundar aquele seu papel fundamental que é exatamente o de informar com clareza e com limpidez. Este me parece que é o grande papel histórico da imprensa neste momento”, disse Lewandowski.

O ministro do STF lembrou ainda as consequências das fake news, como a ascensão de teorias que colocam em dúvida se a Terra é redonda e até o heliocentrismo. “Aqui tiveram fake news que avançaram sobre as vacinas”, disse Lewandowski mencionando a volta do sarampo, doença erradicada até bem pouco tempo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

A retratação recente de duas personalidades públicas brasileiras que afirmavam ter passagens acadêmicas pela Universidade Harvard colocou em xeque currículos criados pelos próprios usuários
Um novo projeto apresentado no Senado dá mais abertura para a venda de terras a estrangeiro
Deixe seu comentário
Pode te interessar