Sexta-feira, 03 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

Brasil Óleo coletado no Rio de Janeiro é compatível com o do Nordeste, diz o governo

Compartilhe esta notícia:

As primeiras manchas de óleo foram localizadas na Paraíba em 30 de agosto. Desde então, o óleo já foi localizado em 724 localidades, segundo levantamento do Ibama

Foto: Divulgação
Órgãos do governo federal que acompanham o desastre ambiental confirmaram a origem do material encontrado na praia de Santa Clara, em São Francisco de Itabapoana. (Foto: Divulgação/Prefeitura de Belmonte)

O GAA (Grupo de Acompanhamento e Avaliação) formado pela Marinha, ANP (Agência Nacional de Petróleo) e Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) divulgou nesta terça-feira (26) que o óleo coletado no domingo (24) na praia de Santa Clara, em São Francisco de Itabapoana (RJ), é compatível com o que já foi encontrado na costa do Nordeste e do Espírito Santo.

Santa Clara é a segunda praia do estado do Rio atingida pelo material. A primeira foi Grussaí, em São João da Barra. Aproximadamente 20 gramas do material foram recolhidos e analisados no IEAPM (Instituto de Estudo do Mar Almirante Paulo Moreira), em Arraial do Cabo, que confirmou a origem do óleo.

Segundo o GAA, militares da Marinha e agentes do Ibama já se encontram no local efetuando monitoramento. Ainda de acordo com o GAA, até o momento, não foram encontrados novos vestígios de óleo no estado do Rio.

No mesmo domingo foram coletados materiais na praia de Guriri, também em São Francisco de Itabapoana; no Canal das Flechas, em Quissamã; e na praia do Barreto, em Macaé; mas não houve confirmação de compatibilidade com o óleo do Nordeste.

Mais de 700 localidades atingidas

As primeiras manchas de óleo foram localizadas na Paraíba em 30 de agosto. Desde então, o óleo já foi localizado em 724 localidades, segundo levantamento do Ibama divulgado na última sexta-feira (22). Entre os municípios do litoral nordestino, principal região do Brasil atingida, 72% dos municípios tiveram praias afetadas. Durante mais de um mês, o óleo ficou concentrado em praias de oito Estados: Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.

Um marco na cronologia da crise ocorreu em 3 de outubro, quando o óleo chegou ao litoral da Bahia. Depois disso, no começo de novembro, no dia 8, a Marinha apontou que fragmentos chegaram ao Espírito Santo. Em quase três meses de desastre, os dados mostraram que a cada 10 locais atingidos, 3 voltaram a apresentar manchas de óleo após limpeza no Nordeste. Nas semanas recentes, o ritmo da reincidência diminuiu e aumentou o número de localidades afetadas por fragmentos classificados como “esparsos” pela força-tarefa.

Oito dos 11 Estados afetados pela manchas de óleo que contaminam o litoral brasileiro desde agosto estão destinando os resíduos para aterros sanitários ou fábricas de cimento que reaproveitam o material.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Casa Branca é esvaziada por meia hora por causa de avião de pequeno porte que sobrevoou espaço aéreo restrito
Chegada do Papai Noel ao Total abre programação do Natal Alegre
Deixe seu comentário
Pode te interessar