Quarta-feira, 05 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Fair

Brasil Operação para coibir fraudes na concessão de aposentadoria é deflagrada pela PF

Compartilhe esta notícia:

A PF cumpriu 85 mandados. (Foto: Agência Brasil)

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta segunda-feira (23) uma operação para colher provas da participação de advogados, contadores e servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) na prática de fraudes contra o Sistema Previdenciário. As fraudes possibilitaram que pessoas que não tinham tempo de contribuição suficiente recebessem a aposentadoria sem ter direito, após informarem vínculos de trabalho inexistentes. De acordo com a PF, o prejuízo real causado pelas fraudes é da ordem de R$ 55 milhões, sendo que a estimativa de economia com a desarticulação do esquema criminoso, caso as fraudes não tivessem sido descobertas e as aposentadorias continuassem sendo pagas, é de R$ 347 milhões.

Conforme as investigações, o esquema consistia no cômputo extemporâneo de tempo de contribuição fictício para aposentadorias, o que era feito por meio da transmissão de Guias de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social (GFIPs) por meio de empresas inativas. Ainda de acordo com a PF, as GFIPs são utilizadas pelas empresas para o recolhimento do FGTS e para disponibilizar à Previdência Social informações relativas aos segurados, inclusive para comprovar o tempo de contribuição dos funcionários.

Após averiguar centenas de benefícios concedidos, foi constatado que todos os requerimentos de benefícios que tinham indício de fraude estavam concentrados em um grupo de seis servidores. Segundo a PF, eles aprovaram as aposentadorias sem observar os requisitos previstos na legislação, como o período de carência e conferência dos documentos. Os responsáveis pela inserção dos dados falsos nos sistemas do INSS e pela transmissão das GFIPs eram dois escritórios de contabilidade. Também foram identificados cinco advogados responsáveis pela captação de clientes e pela formalização dos requerimentos junto ao INSS.

Os investigados poderão ser indiciados pelos crimes de organização criminosa, estelionato e inserção de dados falsos em sistemas de informação, cujas penas variam de 2 a 12 anos de reclusão. As investigações foram realizadas em conjunto pela Polícia Federal e pela Coordenação Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista do Ministério da Economia, que compõem a Força Tarefa Previdenciária, com apoio do INSS.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Pesquisa indica que 65% dos juízes ganham acima do teto do funcionalismo
Desabamento em sala de aula mata sete estudantes no Quênia
Deixe seu comentário
Pode te interessar