Domingo, 05 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Cloudy

Notícias Pesquisa que liga micróbios a tumor leva prêmio de oncologia

Compartilhe esta notícia:

O primeiro edital, no valor de R$ 10 milhões, terá a parceria do Sebrae e ficará com inscrições abertas até 05/09. Lançamento em Porto Alegre ocorrerá no dia 22 de agosto. (Foto: Reprodução de internet)

Um estudo que aponta como a análise da microbiota (conjunto de micro-organismos) intestinal pode predizer a ocorrência de câncer colorretal venceu a categoria Pesquisa em Oncologia do 10º Prêmio Octavio Frias de Oliveira. Já a criação de uma droga contra a leucemia a partir de levedura de panificação ganhou na categoria Inovação Tecnológica em Oncologia.

Os nomes dos vencedores foram revelados em cerimônia de entrega na noite de segunda-feira (05), em São Paulo. O médico e escritor Drauzio Varella foi o vencedor na categoria Personalidade de Destaque por sua trajetória e contribuição à oncologia. A premiação é uma iniciativa do Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira). A láurea busca reconhecer e estimular contribuições na área oncológica.

Vinicius Mota, secretário de redação do jornal Folha de S.Paulo, ressaltou as semelhanças que existem entre os valores cultivados pelo jornal e que também se refletem na láurea: a promoção do conhecimento, a investigação da verdade dos fatos, o combate aos obscurantismos e o incentivo ao debate amplo e substancioso.

“Todos esses foram valores cultivados pelo seu Frias, Octavio Frias de Oliveira, e por Otavio Frias Filho [que dirigiu a Redação da Folha de 1984 até sua morte, em 2018]. São compromissos perenes, públicos do jornal”, disse.

O grupo de cientistas analisou 969 amostras fecais de bancos de dados internacionais, tanto de pessoas saudáveis quanto de indivíduos com câncer. Com essa informação em mãos, desenvolveram modelos – alimentando computadores com grandes bases de dados para que eles encontrassem padrões – que buscavam diferenciar as amostras normais das que tinham a doença.

No fim, os autores descobriram que a presença de 16 bactérias na microbiota intestinal pode indicar a existência de câncer colorretal em estágio inicial. Também puderam detectar a doença em diferentes populações, com dietas e estilos de vida distintos. A pesquisa foi publicada na revista científica Nature Medicine.

O trabalho vencedor na categoria Inovação Tecnológica em Oncologia, de autoria de Luciana Facchinetti de Castro Girão, do Departamento de Bioquímica da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), tinha como alvo a criação de uma nova versão da enzima asparaginase que cause menos efeitos colaterais graves.

A enzima asparaginase, que é produzida por uma bactéria, é o principal medicamento para a leucemia linfoide aguda, que afeta principalmente crianças. Embora seja eficaz, o remédio pode causar forte reação imunológica, que dificulta ou até impede seu uso.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Notícias

Mais de 600 veículos e sucatas serão leiloados nesta quarta-feira pelo Detran em Porto Alegre
Música latino-americana vira nova onda global e domina festivais europeus
Deixe seu comentário
Pode te interessar