Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
23°
Fair

Notícias Petistas aconselharam Lula a pedir asilo à Rússia

Compartilhe esta notícia:

Lula, após a celebração da missa no sábado, revelou que foi recomendado a pedir asilo político. (Foto: Reprodução)

O ex-presidente Lula foi aconselhado por integrantes da cúpula do PT a pedir asilo a uma embaixada para escapar da prisão. A sugestão foi feita no mesmo dia em que o STF (Supremo Tribunal Federal) negou pedido de habeas corpus.

Conforme Andreza Matais, do blog Coluna do Estadão, do jornal O Estado de S.Paulo, os petistas tentaram convencê-lo a se refugiar em Brasília nos prédios das embaixadas da Rússia ou de Cuba, países com quem mantêm boa relação. De lá, poderia continuar dando entrevistas durante toda sua campanha ao Palácio do Planalto.

Lula, porém, rechaçou a ideia e se comparou a Nelson Mandela, preso por 27 anos em regime fechado por lutar contra o apartheid, na África do Sul, onde, posteriormente, foi presidente de 1994 a 1999, sendo o primeiro presidente negro do país.

Em janeiro, durante discurso na Praça da República, em São Paulo, Lula fez uma analogia de sua possível prisão com a detenção de Nelson Mandela. “Prenderam o Mandela, ele ficou preso por 27 anos, nem por isso a luta diminuiu. Ele voltou e foi eleito presidente”, disse Lula. Para o ex-presidente, sua condenação faz parte de um projeto que vai “retirar a esperança do povo brasileiro”.

Naquela ocasião, Lula também se comparou a Tiradentes, citando o alferes – cargo militar semelhante ao de tenente-, que tinha esse apelido por exercer também o ofício de dentista, como “um pobre desgraçado de um alfeires não era nem sargento” e que “ousou pensar na independência deste País”. Tiradentes foi enforcado e esquartejado em 21 de abril de 1792, devido a seu envolvimento com a Inconfidência Mineira.

“Não só o governo da época o condenou, como enforcou, como esquartejou, pendurou sua carne nos postes de Ouro Preto, em Minas Gerais, para que ninguém nunca mais pensasse em fazer a independência deste País”, disse Lula, destacando que 30 anos depois aconteceu a independência e, quase 100 anos depois, Tiradentes foi exaltado como herói a justificar a proclamação da República.

No último sábado, em São Bernardo do Campo, após a missa em homenagem à data que seria aniversário da ex-primeira dama Marisa Letícia, morta em fevereiro do ano passado, Lula fez um discurso e revelou que foi recomendado a pedir asilo político no Uruguai e em embaixadas de outros países sul-americanos.

O ex-presidente dispensou a ideia, e disse que “não tem mais idade para isso e que vai enfrentar todos ‘olho no olho’”.
“Quanto mais dias me deixarem lá [preso], mais Lulas vão nascer neste País”, disse o ex-presidente.

Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, acusado de receber da empreiteira OAS um apartamento triplex no Guarujá, no Litoral de São Paulo. Ele se entregou à Polícia Federal e foi preso na noite de sábado, dois dias depois da expedição de um mandado de prisão pelo juiz Sérgio Moro.

O ex-presidente começou a cumprir sua pena em uma cela especial na Superintendência da Polícia Federal do Paraná.

Lula lá?

Mesmo preso, Lula pode registrar a candidatura ao Planalto, segundo dois advogados eleitorais e um ex-ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) ouvidos pela Coluna do Estadão. Um especialista lembra que até um preso por suspeita de pistolagem foi eleito vereador na Paraíba em 2016.

Um ministro do TSE afirma, porém, que Lula não teria nem como pedir o registro porque precisará apresentar certidões criminais. A falta do documento já seria o impeditivo para ele conseguir entrar na disputa.

 

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Notícias

O Comitê Gestor da Internet defende uma lei urgente para a proteção de dados pessoais no Brasil
O filho de João Gilberto acusou a irmã de excluí-lo das decisões sobre o pai
Deixe seu comentário
Pode te interessar