Domingo, 19 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Thunder in the Vicinity

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Mundo Protestos pelo mundo marcam “dia de fúria” contra a decisão de Donald Trump sobre Jerusalém

Compartilhe esta notícia:

Palestinos protestam contra decisão dos EUA. (Foto: Reprodução)

Muçulmanos de várias partes do mundo protestam nesta sexta-feira (8) contra a decisão do presidente dos EUA Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel. A segurança foi reforçada diante de representações diplomáticas dos EUA e de Israel em diversos países. Em Israel, a polícia aumentou sua presença em Jerusalém. Há registros de confrontos nos territórios palestinos. Pelo menos uma pessoa morreu nos confrontos.

Um palestino morreu após ser atingido por tiros do exército israelense nesta sexta-feira na faixa de Gaza durante manifestações contra o reconhecimento pelos Estados Unidos de Jerusalém como a capital de Israel, informou o ministério da Saúde do enclave palestino. Mahmud al-Masri, de 30 anos, morreu a leste Khan Yunes quando protestava perto da barreira de segurança de Israel com a faixa de Gaza. Ele é o primeiro palestino a ser morto durante manifestações contra a decisão americana.

Mais cedo, o ministério de Saúde chegou a anunciar a morte de uma segunda vítima, mas posteriormente voltou atrás na informação e garantiu que o homem, atingido por um tiro na cabeça, está vivo.

Seu estado de saúde é considerado gravíssimo. O porta-voz do ministério, Ashraf al-Qudra, explicou que o jovem, cujo coração parou de bater, foi declarado morto, mas os médicos conseguiram reanimá-lo no hospital.

Grupos palestinos convocaram protestos para esta sexta, o que foi chamado como “dia de fúria”. O grupo islâmico Hamas, que controla a faixa de Gaza, pediu que palestinos iniciem uma nova rebelião, conhecida como “intifada”.

Centenas de manifestantes entraram em confronto com as forças de segurança israelenses nas cidades de Hebron, Belém e Ramallah, todos na Cisjordânia, durante a tradicional oração de sexta-feira na cultura islâmica. Manifestantes atiraram pedras e as tropas israelenses responderam com gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Em Gaza, centenas de manifestantes tomaram as ruas e marcharam em protesto contra os EUA. Palestinos que faziam oração também protestaram do lado de fora da mesquista Al Aqsa, em Jerusalém.

Segundo informações do Crescente Vermelho palestino, mais de 200 pessoas ficaram feridas nos confrontos na Cisjordânia. Em Gaza, há pelo menos 15 feridos.

Em tempos de tensão entre Israel e palestinos, casos de violência têm acontecido com frequência após as orações de sexta-feira no complexo de Jerusalém onde está localizada a mesquita Al Aqsa, no topo de uma montanha conhecida por muçulmanos como Nobre Santuário e por judeus como Monte do Templo. Muitas vezes, Israel impôs restrições para acessar o local quando estava antecipando confrontos.

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, disse nesta sexta-feira que os Estados Unidos “provavelmente” não vão transferir a embaixada americana em Israel de Tel Aviv para Jerusalém antes de dois anos. “Não é uma coisa que vai acontecer este ano, nem provavelmente o próximo ano, mas o presidente [Donald Trump] quer que avancemos de maneira muito concreta e resoluta”, disse após um encontro com o chanceler francês, Jean-Yves Le Drian, em Paris.

Centenas de iranianos participaram de protestos por todo o país nesta sexta-feira para condenar a decisão de Trump, segundo a TV estatal. Líderes do Irã, onde a oposição a Israel e apoio à causa palestina tem sido central para a política externa desde a revolução islâmica de 1979, criticaram a decisão de Trump, incluindo seu plano de transferir a embaixada dos EUA para Jerusalém.

A TV estatal transmitiu imagens de manifestantes entoando “morte à América” e “morte a Israel”, segurando bandeiras palestinas e cartazes com os dizeres: “Quds pertence aos muçulmanos”, usando o nome árabe para a cidade. Em diversos locais, manifestantes queimaram imagens de Trump, relatou a mídia iraniana.

O Irã considera que a Palestina compreende toda a Terra Santa, incluindo o Estado judeu, que não reconhece. Teerã tem pedido repetidamente pela destruição de Israel e apoiado diversos grupos militantes islâmicos em sua luta contra o país.

A oposição à decisão de Trump uniu facções iranianas pragmáticas e de linha dura, com o presidente pragmático, Hassan Rouhani, e comandantes da Guarda Revolucionária do Irã convocando iranianos a participar de manifestações nacionais do “dia de fúria”.

Como consequência dos protestos, as embaixadas americanas nos países envolvidos pediram aos seus cidadãos que tomem precauções e “evitem áreas de manifestações”.

tags: trump

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Sites jornalísticos nascidos na internet cortaram custos para compensar a perda de publicidade para o Google e o Facebook
Lançamento de foguete para descobrir se a Terra é plana foi impedido pelos Estados Unidos
Deixe seu comentário
Pode te interessar