Quinta-feira, 02 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
10°
Mostly Cloudy

Brasil “Quem manda sou eu”, disse Bolsonaro sobre a troca na Polícia Federal

Compartilhe esta notícia:

Investigações referem-se a desvios em contratos na área da saúde envolvendo organizações sociais. (Foto: Divulgação/PF)

Ao comentar as recentes trocas no comando da PF (Polícia Federal), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta sexta-feira (16) que é ele quem manda na corporação e argumentou que as mudanças precisam passar por sua análise para que ele não seja um “presidente banana”.

A PF é subordinada ao ministro Sérgio Moro (Justiça), enfraquecido em meio à divulgação de mensagens que mostram sua atuação em parceria com os procuradores em diferentes processos da Lava-Jato e que colocaram em xeque sua atuação como juiz federal.[

Moro também tem sofrido seguidas derrotas no Congresso, onde tramita um pacote de medidas anticrime encaminhado por ele no início do governo.

“Se ele [sem deixar claro quem] resolveu mudar, vai ter que falar comigo. Quem manda sou eu, vou deixar bem claro. Eu dou liberdade para os ministros todos, mas quem manda sou eu. Pelo que está pré-acertado, seria lá o [superintendente] de Manaus”, afirmou ao deixar o Palácio da Alvorada.

“Quando vão nomear alguém, falam comigo. Eu tenho poder de veto, ou vou ser um presidente banana agora? Cada um faz o que bem entende e tudo bem?”, disse.

As declarações de Bolsonaro foram feitas em resposta a um questionamento sobre a substituição do superintendente da PF no Rio, Ricardo Saadi. Um dia antes, após o presidente se antecipar e dizer que Saadi seria trocado, a instituição divulgou nota afirmando que ele seria substituído por Carlos Henrique Oliveira. O nome foi uma escolha do diretor-geral do órgão, Maurício Valeixo.

Já Bolsonaro disse ter acertado previamente que o cargo seria ocupado pelo atual superintendente da PF no estado do Amazonas, Alexandre Silva Saraiva.

Nesta sexta-feira, ao falar que era necessário que dessem satisfações a ele, Bolsonaro não deixou claro se fazia uma referência a Valeixo ou ao ministro da Justiça, Sergio Moro, a quem a PF é subordinada administrativamente.

O presidente minimizou o caso e tentou encerrar os questionamentos da imprensa sobre o tema mais de uma vez durante a entrevista. Incomodado, disse que os jornalistas não iam conseguir criar uma indisposição dele com a PF.

“Querem me indispor com a PF? Não vão me indispor com a PF. Não vai me indispor.”

Na manhã de quinta-feira (15), Bolsonaro pegou a PF de surpresa ao dizer espontaneamente em entrevista que Saadi seria trocado por questões de gestão e produtividade. A corporação logo reagiu e divulgou uma nota negando que a mudança tivesse a ver com a conduta do superintendente.

“A Polícia Federal informa que a troca da autoridade máxima do órgão no Estado já estava sendo planejada há alguns meses e o motivo da providência é o desejo manifestado, pelo próprio policial, de vir trabalhar em Brasília, não guardando qualquer relação com o desempenho do atual ocupante do cargo”, disse a Polícia Federal, por meio de uma nota.

Questionado sobre a divergência, o presidente relativizou o que quis dizer com produtividade.

“Ele vai produzir mais aqui. Eu não falei falta de produtividade. É muito simples: ‘Se separou por amor’, tem dupla interpretação. ‘Num ato impensado, mata o filho o pai amado. Quem matou quem?’ É a língua portuguesa, pô.”

Ele ainda disse que o motivo para a troca de comando da PF no Rio “não interessa”.

“O motivo? Não interessa o motivo. Ele vai produzir melhor em outro lugar, cansou da região, está manjado da região. Às vezes para proteger a própria vida. Outra coisa, a gente não tem que dar satisfação para mudar muita gente, né? Se eu assumir a Presidência tem que manter tudo? Ministro, secretaria?”

Mais tarde, em um evento no Palácio do Planalto, o presidente disse que não vê “problema nenhum” em fazer trocas nas superintendências da Polícia Federal.

“Se fosse trocar cinco superintendentes, qual é o problema? Eu não vejo problema nenhum”, disse.

O presidente disse ainda que, pelo cargo que ocupa, tem de “saber o que acontece”, evitando o que ele chamou de loteamento político que era feito no passado.

“Isso era loteado no passado por partidos políticos. Mudou isso aí. Eu tenho como chefe e comandante saber o que acontece, qual o perfil das pessoas e com quem teve relações no passado”, afirmou.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

O ministro da Economia espera aprovar a reforma tributária ainda este ano
Começa neste sábado no bairro Cidade Baixa a Semana do Patrimônio Cultural de Porto Alegre
Deixe seu comentário
Pode te interessar