Terça-feira, 26 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Senadores acionam o Supremo para que Davi Alcolumbre paute a sabatina do ex-ministro André Mendonça

Compartilhe esta notícia:

Mendonça foi indicado por Bolsonaro para ser ministro do Supremo, mas sabatina no Senado não foi marcada. (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

Os senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Podemos-GO) acionaram o Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (16) para que o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), paute a sabatina de André Mendonça para o cargo de ministro da Corte.

A apreciação do nome do ex-chefe da Advocacia-Geral da União (AGU) está parada há dois meses desde que a indicação foi formalizada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Com a aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello no dia 12 de julho, o STF passou a funcionar com apenas dez ministros. Para os senadores, o desfalque na composição da Corte acarreta em grave dano ao interesse público porque atrapalha os trabalhos do Supremo. Como o processo não foi distribuído, ainda não houve a designação de um relator.

“Dito de outro modo, o fato de deixar de contar com um Ministro em sua composição faz com que milhares de feitos fiquem à espera de julgamento”, afirmam.

No mandado de segurança encaminhado ao STF, os senadores também apontam inércia na conduta de Alcolumbre, e dizem que o presidente da CCJ não pode se valer de sua posição para “postergar sem qualquer fundamento razoável a realização de sabatina, especialmente considerando-se que o interesse público é gravemente aviltado em razão de sua inércia”.

Alcolumbre tem travado o processo da indicação por insatisfação com Bolsonaro, e não esconde a preferência pelo atual procurador-geral da República, Augusto Aras, para a vaga ao STF.

“Se o Senado da República não escolhe e tampouco elege Ministros do Supremo Tribunal Federal, mas apenas aprecia a indicação realizada pelo Presidente da República, é imprescindível que haja a pronta e tempestiva designação de sessão para essa finalidade, uma vez formal e solenemente enviada a mensagem pelo chefe do Poder Executivo”, apontam Vieira e Kajuru.

Cabe a Alcolumbre definir a data para a avaliação na CCJ do nome de Mendonça, que esta semana contou com a pressão de lideranças evangélicas em Brasília em favor de seu nome.

“A inércia do Sr. Davi Alcolumbre caracteriza-se como flagrante e indevida interferência no sadio equilíbrio entre os Poderes, na medida em que inviabiliza a concreta produção de efeitos que deve emanar do livre exercício de atribuição típica do Presidente da República”, argumentam os senadores.

No pedido, os senadores lembram outro episódio em que recentemente o Supremo teve que agir diante da inércia do Senado: a CPI da Covid. Foi através de um mandado de segurança apresentado por eles que o ministro Luís Roberto Barroso determinou que o presidente do Senado instalasse comissão, uma vez que o requisito necessário já tinha sido cumprido — a assinatura de 27 senadores da minoria.

“Naquela situação, impedia-se que o Senado desempenhasse seu mister fiscalizador, ao passo que na presente impede-se igualmente que a Casa de Rui Barbosa confirme ou recuse a indicação do Sr. André Mendonça para que ocupe o cargo de Ministro do Supremo Tribunal Federal”, apontam.

Pressão intensificada

Ao longo da semana, a pressão de senadores e aliados do ex-chefe da Advocacia-Geral da União (AGU) para que Alcolumbre paute a arguição se intensificou. Antes do mandado de segurança dos senadores nesta quinta-feira, Mendonça contou com uma “blitz” evangélica que visitou o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e o presidente da República — e passou a se reunir com o ex-presidente José Sarney para tentar quebrar as resistências dentro do Senado, segundo informações do jornal O Globo.

Também nesta quinta, quem entrou em campo para pedir pela sabatina de Mendonça foi o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), que vinha se mantendo discreto na campanha pelo indicado ao STF. Em uma rede social, o filho do presidente disse que o ex-ministro “tem todas as qualidades para estar no STF” e que a demora “já beira o absurdo”.

“O Presidente da República indica o nome e os Senadores votam SIM ou NÃO. Já beira o absurdo o Senado não fazer sua parte, após 65 dias desde a indicação. Seria vergonhoso, mais uma vez, o STF decidir pelo Senado”, escreveu.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Cabo Daciolo é intimado a depor no Tribunal Superior Eleitoral no inquérito que apura informações falsas sobre fraude nas urnas
Ministro do Supremo Alexandre de Moraes compartilha provas do inquérito das fake news para investigação sobre chapa Bolsonaro-Mourão
Deixe seu comentário
Pode te interessar