Sábado, 22 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Fair

Política Sérgio Moro vai ao Senado debater permissão para prisão em segunda instância

Moro é um dos convidados de audiência pública da CCJ.

Foto: Pedro França/Agência Senado
Ex-juiz tem resistência de evangélicos e de setores políticos. (Foto: Pedro França/Agência Senado)

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, é um dos convidados de audiência pública da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado para debater o projeto que estabelece a prisão de condenados após decisão em segunda instância (PLS 166/2018). O debate, marcado para começar às 10h, na terça-feira (26), ocorrerá na véspera da votação da proposta na CCJ.

Além de Moro, são esperadas as presenças do jurista Ives Gandra da Silva Martins, do defensor público-geral do Rio de Janeiro Rodrigo Baptista Pacheco e do presidente do Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Felipe Santa Cruz Scaletsky. Também foram convidados para a audiência o ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Herman Benjamin e o chefe da Assessoria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Vladmir de Freitas.

A relatora do projeto, senador Juíza Selma (Podemos-MT), apresentou relatório favorável à proposta na última quarta-feira (20) nos termos de um substitutivo. O texto, que altera o Código de Processo Penal (CPP), foi elaborado após articulação entre alguns senadores e o ministro Sergio Moro.

Atualmente, o artigo 283 do CPP prevê que que a prisão só poderá ocorrer “em decorrência de sentença condenatória transitada em julgado” ou, durante a investigação ou processo, de forma cautelar – temporária ou preventiva.

Na versão apresentada no colegiado, essa prisão poderia acontecer “em decorrência de condenação criminal por órgão colegiado ou em virtude de prisão temporária ou preventiva”. O projeto também altera a redação de outros trechos do CCP para permitir que o tribunal determine execução provisória de penas privativas de liberdade sem prejuízo do conhecimento de recursos que venham a ser apresentados. Na prática, isso abre a possibilidade para a prisão após condenação em segunda instância.

O texto tem caráter terminativo, o que significa que, se aprovado, ele poderia seguir diretamente para a Câmara dos Deputados. Mas, como foi apresentado um substitutivo ao projeto, do senador Lasier Martins (Podemos-RS), mesmo se aprovado na quarta, ele terá que passar por turno suplementar de votação. A presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-RS), também sinalizou que a proposta, por sua complexidade, deverá ser submetida à votação no Plenário do Senado.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Uruguai elege neste domingo, em segundo turno, novo presidente
Exigência de exame toxicológico para posse de arma está na pauta da Comissão de Constituição e Justiça
Deixe seu comentário
Pode te interessar