Sexta-feira, 12 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Rio Grande do Sul Supremo suspende habeas corpus e manda prender os 4 condenados da Boate Kiss; dois já se apresentaram

Compartilhe esta notícia:

Elissandro Spohr, Mauro Hoffmann, Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Bonilha Leão no júri da Boate Kiss.

Foto: Foto: TJ-RS
Elissandro Spohr, Mauro Hoffmann, Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Bonilha Leão no júri da Boate Kiss. (Foto: TJ-RS)

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, aceitou nesta terça-feira (14), o recurso Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) pedindo a suspensão do habeas corpus preventivo aos quatro réus condenados no julgamento da Kiss, na sexta-feira (10). Com isso, eles podem ser presos.

Marcelo de Jesus, vocalista da banda Gurizada Fandangueira, condenado a 18 anos de prisão, foi o primeiro a se apresentar, no município de São Vicente do Sul, na Região Central, na noite desta terça, conforme a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe). Ele se dirigiu ao presídio da cidade.

Já Elissandro Spohr, o dono da Boate Kiss,  com a maior pena, de 22 anos e seis meses de prisão, se apresentou em Porto Alegre, segundo o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS).

Defesa recorreu ainda na sexta

Após a condenação por dolo eventual pela morte de 242 pessoas, a defesa de Elissandro Spohr recorreu da decisão do julgamento na Boate Kiss ao Tribunal de Justiça (TJ-RS) e, com isso, os condenados não foram presos.

O cumprimento das penas de 18 a 22 anos se daria em regime inicialmente fechado. A prisão dos quatro chegou a ser decretada pelo juiz Orlando Faccini Neto durante a leitura da sentença na sexta-feira (10). Mas o magistrado foi comunicado de que o desembargador Manuel José Martinez Lucas concedeu aos quatro o direito de recorrerem em liberdade.

As condenações

Elissandro Spohr, também chamado de Kiko, sócio da boate: 22 anos e seis meses de prisão por homicídio simples com dolo eventual
Mauro Hoffmann, sócio da boate: 19 anos e seis meses de prisão por homicídio simples com dolo eventual
Marcelo de Jesus, vocalista da banda: 18 anos de prisão por homicídio simples com dolo eventual
Luciano Bonilha, auxiliar da banda: 18 anos de prisão por homicídio simples com dolo eventual

Tragédia

Em 27 de janeiro de 2013 a Boate Kiss, localizada na área central de Santa Maria, sediou a festa universitária denominada “Agromerados”. No palco, se apresentava a Banda Gurizada Fandangueira, quando um dos integrantes disparou um artefato pirotécnico cujas centelhas atingiram parte do teto do prédio, que era revestido de espuma, que pegou fogo. O incêndio se alastrou rapidamente, causando a morte de 242 pessoas e deixando mais 636 feridos.

O Ministério Público é o autor da ação penal. Inicialmente, aos quatro foi imputada a prática de homicídios e tentativas de homicídios, praticados com dolo eventual, qualificados por fogo, asfixia e torpeza. No entanto, as qualificadoras foram afastadas e eles respondem por homicídio simples (242 vezes consumado e 636 vezes tentado).

Para o procurador-geral de Justiça, Marcelo Dornelles, a decisão restabelece a correta aplicação da lei em relação à prisão dos condenados, assegurando o princípio da soberania dos jurados. “O Ministério Público do Rio Grande do Sul sempre teve confiança e convicção da responsabilidade dos condenados. Afinal, só há razão para um julgamento ser popular se as decisões forem efetivamente cumpridas”, disse.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Organização Mundial da Saúde alerta que 77 países já relataram casos da variante ômicron
Projeto de Lei que prevê atualização na legislação do Conselho Estadual de Cultura é aprovado na Assembleia Legislativa
Deixe seu comentário
Pode te interessar