Sábado, 22 de janeiro de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
27°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Economia Temor nos mercados: bolsas caem com anúncio de nova variante do coronavírus. Receio é de desaceleração da economia

Compartilhe esta notícia:

O cenário global é de incerteza quanto ao futuro. (Foto: Reprodução)

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores, recuou 3,39%, aos 102.224 pontos no final da semana, acompanhando o movimento de queda generalizada dos mercados globais devido ao surgimento de uma nova variante da covid. As companhias aéreas tiveram as maiores baixas, em um pregão em que apenas duas ações não ficaram no campo negativo.

Esse foi o pior índice desde 22 de novembro, quando o Ibovespa fechou na mínima do ano, a 102.122 pontos. Na semana, o Ibovespa acumula queda de 0,79%. No mês, desvalorização de 1,23%. E, no ano, baixa de 14,11%

O dólar, por sua vez, teve valorização de 0,54%, negociado a R$ 5,5948, após atingir a máxima de R$ 5,6679 logo na abertura. E o Bitcoin despencou 20% em relação ao recorde do início do mês. A divisa acumula queda de 0,24% na semana, de 0,93% no mês e alta de 7,86% no ano.

“O câmbio aguentou surpreendentemente bem nesta sexta. Está um pouco mais alto que quinta, mas nada tão significativo. Talvez porque a moeda já tivesse apanhado muito. Mas a Bolsa apanhou pra caramba, porque além de tudo é pesada em commodities”, explica o economista Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central.

O comportamento dos investidores foi semelhante ao que visto no início da pandemia, em março do ano passado. Eles saem de ativos de maior risco, como ações, e buscam posições mais seguras, como títulos da dívida e moedas de economias mais fortes.

“Existe um receio de que possa ter consequências parecidas com as que a gente viu nos últimos anos, com impacto nas commodities e nas empresas aéreas de maneira geral. A gente vê em particular a fuga para a qualidade, com a saída de investidores de mercados mais arriscados”, aponta Schwartsman.

O temor é que uma nova onda de covid trave a recuperação econômica global. A nova variante, batizada de Ômicron, está se espalhando rapidamente pela África do Sul. Também já foi detectada em Botswana, Hong Kong e Israel. A Organização Mundial da Saúde classificou a nova variante como “variante de preocupação” (VOC).

Autoridade

Os juros futuros se ajustaram em queda. Além da nova variante da Covid-19, as taxas seguiram influenciadas pelas declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, sobre a busca da autoridade monetária em conter a inflação, mas de forma organizada.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 caiu de 12,145% no ajuste anterior para 11,84% e a do DI para janeiro de 2024 recuou de 11,97% para 11,795%. A do contrato para janeiro de 2025 cedeu de 11,86% para 11,73% e a do DI para janeiro de 2027 caiu para 11,71% ante os 11,81% da leitura anterior.

Quedas

No mercado americano, que teve horário de funcionamento reduzido ainda por causa do feriado de Ação de Graças, o índice Dow Jones cedeu 2,53% e o S&P, 2,27%. A Bolsa de Nasdaq caiu 2,23%. O Dow Jones teve seu pior desempenho diário desde outubro de 2020.

Na Ásia e na Europa, as principais praças também registraram queda. A Bolsa de Londres teve baixa de 3,64% e a de Frankfurt, de 4,15%. Em Paris, ocorreu queda de 4,75%.

O índice FTSEurofirst 300 caiu 3,71%, a 1.796 pontos. Já o índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 3,67%, a 464 pontos, em sua pior sessão desde junho de 2020.

Na Ásia, onde os mercados já fecharam, o índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, cedeu 2,53%. Em Hong Kong, houve baixa de 2,57% e, na China, de 0,56%.

Entre as ações, apenas duas não fecharam no campo negativo. As ordinárias da Suzano (SUZB3, com direito a voto) subiram 0,15% e as units da Taesa (TAEE11) avançaram 0,11%.

As ordinárias da Vale (VALE3) e as da Siderúrgica Nacional (CSNA3) cederam 2,64% e 4,91%, respectivamente.

Os preços do minério de ferro voltaram a perder força nesta sexta-feira, devolvendo a maior parte do ganho acumulado na semana. A commodity encerrou o dia em queda de 5,6% no porto de Qingdao, na China, para US$ 96,67 a tonelada.

As preferenciais da Usiminas (USIM5) tiveram queda de 6,58%. No setor financeiro, as preferenciais do Itaú (ITUB4) e do Bradesco (BBDC4) cederam 1,89% e 4%, respectivamente.

As ordinárias da Petrobras (PETR3, com direito a voto) caíram 4,36% e as preferenciais (PETR4, sem direito a voto), 3,88%

Petróleo

O barril do tipo Brent, referência no mercado internacional, recuou 11,5%, cotado a US$ 72,72. O barril do óleo leve americano (WTI) caiu 13%, cotado a US$ 68,15.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Embora o mercado on-line continue dominado por consumidores entre 26 e 35 anos, pessoas com 51 anos ou mais tiveram participação recorde de 14,4% na Black Friday deste ano
Ministério da Economia monitora nova cepa do coronavírus, mas programas de auxílio dependem da PEC dos Precatórios
Deixe seu comentário
Pode te interessar