Sábado, 08 de Maio de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Mostly Cloudy / Wind

Brasil Teste rápido agora vai detectar em até cinco horas a presença do vírus da zika

Compartilhe esta notícia:

O método identifica e diferencia a zika em relação a outros vírus transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti. (Foto: AP)

Os laboratórios da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) iniciam no dia 15 deste mês testes rápidos para o vírus da zika. O teste de sorologia será realizado em amostras de sangue, urina e saliva. O método identifica e diferencia a zika em relação a outros vírus transmitidos pelo Aedes aegypti, como dengue e chikungunya. O resultado sairá em cinco horas.

De acordo com a coordenadora de pesquisas da universidade, Clarisse Arns, o teste foi desenvolvido pela força-tarefa que estuda o vírus em parceria com a USP (Universidade de São Paulo) e a Unesp (Universidade Estadual Paulista). O teste rápido tem eficácia de 100%, segundo a pesquisadora, e representa considerável avanço no controle do zika vírus. Atualmente, o exame é realizado apenas em sangue e o resultado demora pelo menos uma semana.

Inicialmente, os testes estarão disponíveis para pacientes do Hospital das Clínicas de Campinas e da rede pública municipal. Em uma segunda fase, serão atendidos casos suspeitos de cidades da região, como Sumaré e Hortolândia. Até o momento, foram confirmados cinco casos – dois em Sumaré e um em Campinas, Americana e Piracicaba.

O Ministério da Saúde promete também para este mês a distribuição de kits de testes rápidos de zika para os laboratórios de todo o País, que foi desenvolvido pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos, da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), que é ligada ao governo federal. O teste permite realizar a identificação simultânea dos vírus da dengue, da chikungunya e da zika em uma mesma amostra de sangue. (AE)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

China confirma o primeiro caso de zika vírus no país
Porto Alegre começa a treinar militares do Exército para combater o mosquito Aedes aegypti na capital gaúcha
Deixe seu comentário
Pode te interessar