Sábado, 19 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Cloudy

Notícias Não clique na “Retrospectiva 2018” do WhatsApp. É golpe e você pode se dar mal

Compartilhe esta notícia:

Militantes ligados a Carlos Bolsonaro passaram a compartilhar vídeos, áudios, imagens e textos contra o ministro. (Foto: Reprodução)

Todo fim de ano diversas ferramentas fazem retrospectiva da temporada, o que é um forte apelo emocional para os usuários. No entanto, é aproveitando-se exatamente desse apelo que cibercriminosos estão atacando com intensidade neste fim de ano.

Desta vez, o golpe é sobre uma mensagem que promete uma “Retrospectiva do WhatsApp 2018”. O recurso funcionaria como uma memória, capaz de mostrar as fotos enviadas, status e conversas, que é muito comum em outras redes como o Facebook e Instagram.

Segundo o laboratório de cibersegurança da PSafe, o golpe visa lucro por meio de publicidade e, em alguns casos, redireciona a vítima para páginas falsas de promoção que solicitam dados pessoais.

Com as informações, criminosos podem vender dados pessoais na deep web, fazer compras falsas na internet ou cometer crimes de falsidade ideológica.

Os profissionais de segurança da informação alertam para a necessidade de checar com as empresas se elas estão oferecendo os serviços e promoções em questão.

Emilio Simoni, diretor do dfndr lab, explica que “os cibercriminosos costumam utilizar datas relevantes como gancho para criar formas de enganar os usuários. Foi assim com Copa do Mundo, eleições, Black Friday, e agora com o fim do ano”. Ainda, ele afirma que “essa é uma das formas mais comuns de tentar dar credibilidade para o link que está sendo compartilhado e as pessoas precisam estar sempre atentas”. Por isso, “é muito importante checar com as empresas se qualquer promoção, serviço ou ação de marketing de fato é verdadeira”.

Outra empresa de segurança que também já analisou o novo golpe é a Kaspersky Lab. A empresa mostra que, ao clicar no tal link da suposta retrospectiva, o usuário é direcionado à seguinte página, que pede que o usuário compartilhe a mensagem com seus contatos:

Então, ao clicar em “compartilhar”, o usuário se depara com uma mensagem dizendo que há problemas com seu aparelho, convidando-o a baixar uma solução chamada “App de Segurança WhatsApp”:

Se clicar em “instalar”, o usuário é levado à Play Store para baixar o tal app, sendo que seu desenvolvedor tem outro app falso usando a marca Vivo como isca, prometendo internet grátis:

A Kaspersky diz que o App de Segurança WhatsApp já tem mais de 100 instalações, enquanto o Vivo Internet Grátis ficou com 50 até o momento da análise. Ambos os aplicativos, contudo, são maliciosos, e podem roubar dados da vítima ao serem instalados no smartphone. “Mesmo as limitações mais recentes adotadas pelo WhatsApp não são capazes de bloquear a disseminação orgânica dessas mensagens falsas. Tal capilaridade já está sendo usada para propagar apps maliciosos desenvolvidos no Brasil para infectar smartphones Android e com a finalidade de roubar dados financeiros”, alerta Fabio Assolini, analista sênior da Kaspersky Lab.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Notícias

Contêineres adaptados para servir temporariamente como celas estão prontos para receber presos provisórios em Novo Hamburgo
Ao completar um ano de implantação no Rio Grande do Sul, a versão digital da carteira de motorista agora conta com o cadastramento dos condutores por reconhecimento facial
Deixe seu comentário
Pode te interessar