Domingo, 15 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Partly Cloudy

Capa – Caderno 1 Ministro da Defesa da Bolívia também renuncia ao cargo e diz que “militares devem defender o povo”

"Uma questão política não é resolvida aumentando o calibre de repressão contra seus compatriotas", afirmou Zavaleta. (Foto: Reprodução)

O ministro da Defesa da Bolívia, Javier Eduardo Zavaleta López, anunciou a sua renúncia em uma carta publicada no Twitter da pasta, na qual ele expressou que sua vontade “é preservar a institucionalidade das Forças Armadas a serviço da população” e não contra ela.

“Nunca ordenamos que nossos soldados e marinheiros manejassem uma arma contra seu povo e nunca a daremos”, disse Zavaleta, décimo terceiro ministro a renunciar na crise boliviana.

“O Estado que construímos é uma Bolívia na qual os militares devem defender sua pátria ao lado de seu povo e não contra ele; portanto, a responsabilidade de apontar armas contra o povo será de quem levou a isso”, afirmou Zavaleta. “Uma questão política não é resolvida aumentando o calibre de repressão contra seus compatriotas. As balas não são a resposta ou a solução. Política são ideias contra ideias e não o zumbido de balas”, diz o texto.

O México anunciou na segunda-feira (11) que concedeu asilo político a Evo Morales. De acordo com o chanceler mexicano, Marcelo Ebrard, o ex-presidente da Bolívia pediu proteção um dia depois de deixar o cargo sob pressão de opositores, militares e policiais.

Morales embarcou por volta das 23h (horário de Brasília) de segunda na aeronave cedida pelo governo mexicano em Chimoré, perto de Cochabamba, informou Ebrard.

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

Compartilhe esta notícia:

Câmara dos Deputados do Chile aprova convocação de plebiscito para nova Constituição
Dono de lancheria é preso por furto de energia em Porto Alegre
Deixe seu comentário
Pode te interessar