Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > PRF apreende animais silvestres que estavam sendo levados para Argentina

O ministro das Relações Exteriores do Brasil teve chilique com a participação de Eduardo Bolsonaro no encontro com Trump

Eduardo Bolsonaro, Jair Bolsonaro e Donald Trump durante a reunião na Casa Branca. (Foto: Alan Santos/PR)

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, teve um chilique na frente de outros ministros por causa da participação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no encontro privado entre os presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump na terça-feira (19), em Washington, nos Estados Unidos.

Araújo não participou da reunião entre os dois líderes, realizada no Salão Oval da Casa Branca. Segundo pessoas que estavam presentes no momento, Araújo ficou especialmente irritado após ler o blog da jornalista Míriam Leitão, do jornal O Globo. No texto, ela afirma que o Itamaraty saiu rebaixado com a ida de Eduardo para o encontro com Trump e diz que, se Araújo tivesse “alguma fibra”, ele pediria para deixar o cargo.

De acordo com informações do jornal Folha de S.Paulo, a percepção dos presentes foi de que o ministro às vezes tem comportamento instável. O ministro da Economia, Paulo Guedes, tentou acalmá-lo.

Como o secretário de Estado dos EUA (cargo equivalente ao de ministro das Relações Exteriores), Mike Pompeo, não estava presente no encontro, não seria esperado que Araújo estivesse. Pompeo estava em viagem no exterior e não participou em nenhum momento da visita de Bolsonaro aos EUA.

Trump, como Bolsonaro, valoriza os laços familiares e costuma incluir sua filha Ivanka em eventos às vezes reservados apenas para autoridades. Após o encontro, Eduardo Bolsonaro disse que o próprio Trump o chamou para participar da reunião. Mas Araújo teria sentido que seus esforços na organização da visita, considerada bem-sucedida pela equipe do presidente, não teriam sido valorizados.

Já Nestor Forster, diplomata que serve na embaixada e é próximo do chanceler, teria reforçado suas credenciais para ser o próximo embaixador em Washington após a sua participação na organização da visita, considerada muito eficiente. Ele tem o apoio do guru do bolsonarismo, Olavo de Carvalho, para ocupar o cargo.

Eduardo

O filho do presidente afirmou que o convite para participar da reunião reservada partiu do próprio Trump. “Ele disse ao Jair: ‘Chame seu filho para entrar’”, declarou o deputado federal.

Durante a entrevista coletiva após a reunião na Casa Branca, Trump fez outra deferência a Eduardo. Ele pediu que o deputado, na plateia, se levantasse. Disse, então, que o parlamentar estava fazendo “um excelente trabalho”.

Foi também Eduardo quem fechou os detalhes para que o seu pai acompanhasse o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, na sede da CIA na manhã de segunda-feira (18), em uma agenda que, por algumas horas, não foi divulgada pela assessoria do Planalto.

Deixe seu comentário: