Quinta-feira, 22 de Outubro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Cloudy

Mundo A Bolívia realiza neste domingo a sua primeira eleição presidencial desde a renúncia de Evo Morales

Compartilhe esta notícia:

Apenas apuração manual dos votos será divulgada, em até cinco dias. (Foto: EBC)

Os eleitores da Bolívia vão às urnas neste domingo (18), no primeiro turno do primeiro pleito nacional do país andino desde que o antigo presidente Evo Morales renunciou. Em jogo, está a decisão sobre quem substituirá a líder interina Jeanine Añez, no cargo desde novembro do ano passado, após a anulação da escolha popular que concedeu a Evo um terceiro mandato.

Os principais candidatos são Carlos Mesa, que ficou em segundo na última eleição, e Luis Arce, aliado de Evo Morales.
Essas são as primeiras eleições no país sem a participação de Evo desde 1997. Ele perdeu a corrida eleitoral em 2002, mas concorreu de novo em 2005, quando venceu pela primeira vez. Eleito outras duas vezes, ficou no poder até novembro de 2019.

A eleição pode ser decidida já no primeiro turno se um dos candidatos obtiver pelo menos 40% dos votos válidos e mais de dez pontos percentuais a mais que o segundo colocado. Se ninguém conseguir esse resultado, haverá um segundo turno no dia 29 de novembro.

Arce tem 33,6% da preferência dos eleitores, seguido de Mesa, com 26,8%, de acordo com uma pesquisa da organização Tu Voto Cuenta, feita entre 2 e 5 de outubro. Já Camacho, em terceiro, tem 13,9%. Confira, a seguir, um perfil básico de quem concorre ao comando da Bolívia:

Luis Arce

Candidato do MAS (Movimento al Socialismo, partido de Evo Morales), Luis Arce foi ministro da economia do então presidente e, nesse cargo, sendo um dos responsáveis pelo processo de estatização de diversas empresas. Durante a campanha, buscou se distanciar dos aspectos mais polêmicos da gestão de Evo – ele afirmou, por exemplo, que não vai interferir em investigações contra ex-ministros do MAS.

Carlos Mesa

Presidente da Bolívia entre 2003 e 2005, Carlos Mesa concorreu contra Evo na polêmica eleição do ano passado, ficando em segundo lugar. É considerado um político de centro.

Luis Fernando Camacho

Líder de extrema-direita que encabeçou protestos contra Evo. Luis Fernando Camacho é de Santa Cruz, o Estado mais populoso da Bolívia.

Desistências

Durante o processo eleitoral, dois candidatos de direita abandonaram a corrida eleitoral: a própria presidente interina, Jeanine Añez, e Jorge Quiroga, que também já foi o líder do país.

Os dois deixaram as eleições como uma estratégia para evitar uma vitória em primeiro turno de Arce, o candidato de Evo, devido ao risco de “pulverização” de votos da oposição. No entanto, nenhum dos dois declarou apoio a Mesa, o segundo colocado.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Saiba como a Argentina se tornou um dos cinco países com mais casos de coronavírus no mundo
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 29 milhões na quarta
Deixe seu comentário
Pode te interessar