Sábado, 31 de Outubro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Fair

Brasil A deputada federal Flordelis será ouvida nesta quarta pela Corregedoria da Câmara dos Deputados para dar sua versão no caso da morte do marido

Compartilhe esta notícia:

Deputada Federal Flordelis é acusada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro de ser a mandante do assassinato do marido. (Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados)

A deputada federal Flordelis (PSD-RJ), ré por orquestrar a morte do marido, pastor Anderson do Carmo, será ouvida nesta quarta-feira (23) pela Corregedoria da Câmara dos Deputados. Ela dará sua versão do caso para o corregedor parlamentar, deputado Paulo Bengtson (PTB-PA), que na semana passada recebeu a defesa escrita da parlamentar.

A oitiva, segundo ele, será presencial e “complementar” à defesa escrita, e ainda não tem hora marcada.

Tornozeleira

A Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Rio de Janeiro (Seap) foi notificada na última sexta-feira (18) da decisão da 3ª Vara Criminal de Niterói que determinou que a deputada federal Flordelis seja monitorada por tornozeleira eletrônica. Ela também terá de ficar em recolhimento domiciliar das 23h às 6h.

A decisão foi da juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce. Flordelis e os filhos são réus em processo sobre a morte do marido dela, o pastor Anderson do Carmo, assassinado em casa, em Niterói, em junho do ano passado.

A deputada é acusada de ser a mandante do crime, mas não pôde ser presa em razão de sua imunidade parlamentar.

A defesa de Flordelis declarou que vai tomar todas as providências e disse que a decisão “é equivocada, usa argumentos sem sentido e que a presunção de inocência tem sido deixada de lado no caso.”

Na sexta, a Justiça também determinou que Adriano dos Santos Rodrigues, um dos filhos biológicos de Flordelis e acusado de envolvimento na morte do pastor Anderson do Carmo, seja transferido para a penitenciária de segurança máxima Laércio da Costa Pellegrino, conhecida como Bangu 1, no Complexo de Gericinó, Zona Oeste do Rio.

O pedido, aceito pela Justiça, foi feito pela defesa que representa o pai do pastor Anderson do Carmo no processo, após suspeitas de que Adriano estava se comunicando de dentro do presídio com a mãe.

A decisão cita também o relato de uma testemunha do caso que diz temer por sua integridade física.

Regiane Ramos disse em depoimento que se sente ameaçada “em especial” pela ré Flordelis e o corréu Adriano.

Relato de ameaças

Recentemente, Regiane teve uma bomba jogada em sua residência. Ela esteve no Ministério Público do Rio de Janeiro para relatar que o artefato pode ter sido também um recado “para calar Lucas”, um dos filhos da deputada federal preso.

Regiane é dona da oficina em que Lucas trabalhava antes do crime e consta no inquérito policial como testemunha por reafirmar a história de que Lucas César dos Santos teria recebido uma mensagem, via WhatApp, com o plano para matar o pastor. Na época, Lucas teria comentado sobre a proposta e enviado a mensagem para Regiane ler.

Segundo a testemunha, ela não tem dúvida de que o ataque foi orquestrado pela família de Flordelis como uma forma de intimidá-la a não depor em juízo e também uma forma de intimidar Lucas.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Estudo brasileiro aponta que coronavírus pode causar danos cerebrais
Entenda as mudanças que a Câmara dos Deputados quer fazer nas leis de improbidade e lavagem de dinheiro
Deixe seu comentário
Pode te interessar