Quarta-feira, 03 de Junho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
12°
Cloudy

Rio Grande do Sul A falta de chuvas provocou uma quebra de quase 30% na safra de grãos de verão do Rio Grande do Sul

Compartilhe esta notícia:

Arroz foi a única cultura com desempenho positivo: 7,6 milhões de toneladas, 0,9% acima da projeção inicial. (Foto: EBC)

Com a safra de grãos de verão praticamente encerrada no Rio Grande do Sul, a Emater (Empresa de Assistência Técnica e Exrensão Rural) e a Seapdr (Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural) apresentaram nesta sexta-feira (22) os números finais da safra 2019-2020. Por causa da estiagem, a quebra geral foi de 28,7%, resultado da diferença entre a colheita atual de 22,4 milhões de toneladas e a de 2018-2019 (31,4 milhões de toneladas).

Conforme o levantamento, somente na soja a queda foi de 45,8% na produção, passando da expectativa inicial de 19,7 milhões para 10,6 milhões de toneladas. “Uma quebra significativa, em espacial na Metade Sul, e que vai gerar muitos prejuízos para a economia gaúcha”, avaliou o diretor técnico da Emater-RS, Alencar Paulo Rugeri.

No caso do milho, cultura fundamental para a economia gaúcha, a produtividade apresentou perda média de 31,9%, apesar do aumento de área de 1,5%, cerca de 2 mil hectares a mais. O resultado foi uma redução de 30,9% na produção, ou 1,8 milhão de toneladas a menos que o estimado.

Das culturas apresentadas, o arroz foi a única com dados de produção positivos: mesmo com redução de 1,8% na área em relação à estimativa inicial (961.377 hectares), passando para os atuais 944.038 hectares, foram colhidas 7.581.095 toneladas do grão. Houve aumento de 0,9% com relação à estimativa inicial (7.510.872 toneladas).

Já o feijão 1ª safra apresentou redução de 1,4% de área, ficando em 35.519 hectares, e diminuição de 14% na produção, sendo colhidas 53.908 toneladas.

Estiagem

“Nesse período, tivemos uma estiagem muito forte, que começou em dezembro e que gerou perdas que variam conforme a região e de acordo com o volume de chuva em cada fase das culturas”, relatou o presidente da Emater-RS, Geraldo Sandri. Técnicos atualizam quinzenalmente os números de cada cultura e o levantamento abrange 90% dos respectivos municípios produtores.

Ao repercutir o trabalho realizado há décadas pela Emater-RS, o titular da Seapdr, Covatti Filho, lamentou os prejuízos que a estiagem provocou para a safra de grãos, “deixando o produtor apreensivo e afetando inclusive as exportações”. Ainda segundo ele, os prejuízos para a economia gaúcha são estimados entre R$ 10 bilhões e R$ 15 bilhões.

Como alternativa para essa situação, o secretário mencionou a instalação da Câmara Temática da Irrigação, publicada na edição desta sexta-feira do Diário Oficial e que criará oportunidades para o produtor buscar linhas de crédito mais acessíveis para a irrigação.

Também citou o Plano Safra, que será anunciado pelo governo federal até o início do mês que vem, além do fortalecimento do programa “Troca-Troca” de sementes, que se começa na próxima semana, com um subsídio de 28% por parte do governo do Rio Grande do Sul e juros mais baixos para os produtores.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

“Por mim botava na cadeia esses vagabundos todos, começando pelo Supremo”, disse o ministro da Educação em reunião
A Nasa detecta evidências de um universo paralelo onde o tempo retrocede
Deixe seu comentário
Pode te interessar