Domingo, 31 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Fair

Celebridades A Justiça condena o estripador de Hollywood, o homem que matou amiga de Ashton Kutcher

Compartilhe esta notícia:

Homem foi acusado pela morte de duas mulheres a facadas, uma delas amiga do ator Ashton Kutcher (foto). (Foto: Reprodução de internet)

Um júri popular declarou culpado Michael Gargiulo, apelidado de “Estripador de Hollywood”, na última quinta-feira (15), pela morte de duas mulheres a facadas, uma delas amiga do ator Ashton Kutcher.

O homem também foi considerado culpado pela tentativa de assassinato de uma terceira vítima. Agora, a Justiça avaliará se Gargiulo estava são na época dos assassinatos, em procedimentos que começarão na próxima terça-feira (20), de acordo com o Serviço de Notícias Municipais.

Kutcher, que estrelou programas de TV como “Two and a Half Men” e “That 70’s Show” disse em audiência diante do júri em Los Angeles que chegou ao apartamento de uma das vítimas do homem na noite do dia 22 de fevereiro de 2001, depois de ter marcado um encontro com ela, e encontrou as luzes acesas e a porta trancada, de acordo com o Serviço de Notícias da cidade.

O depoimento do ator foi dado em maio deste ano. A amiga do ator, Ashley Ellerin, que tinha 22 na época de sua morte, foi uma entre muitas mulheres atacadas por Gargiulo. Ela foi vítima de 47 facadas no banheiro de sua casa. Espiando pela janela na casa da vítima, o então ator de 23 anos viu “o que achou ser um vinho tinto derramado no carpete”.

Ellerin, de 22 anos, foi encontrada morta em sua casa na manhã seguinte por uma companheira de residência. Ela havia sido esfaqueada 47 vezes, disseram os promotores do caso. Gargiulo sentou impassível na sessão, levantando um pouco seu corpo da cadeira, enquanto o veredito do júri era lido.

Além da morte de Ellerin, o júri também declarou Gargiulo culpado pela morte por esfaqueamento de Maria Bruno e pela tentativa de assassinato de uma terceira mulher, Michelle Murphy, que sobreviveu um ataque à faca.

Fundação

Ashton Kutcher, por meio de sua organização sem fins lucrativos Thorn: Digital Defenders of Children (“Espinho: Defensores Digitais das Crianças”, em tradução livre) ajudou autoridades policiais de diversos países a identificar mais de 6 mil vítimas do tráfico sexual infantil, tendo ajudado diretamente 103 crianças nessas condições a retornarem para suas casas.

A organização é mantida com recursos advindos do ator e de sua ex-esposa Demi Moore, que também é co-fundadora. Uma das principais armas da Thorn é a contrainteligência e a construção de tecnologia digital para defender crianças online. Chama a atenção que o trabalho é feito de maneira absolutamente discreta e silenciosa.

Segundo um relatório publicado pela Thorn em 2017, mais de 6,6 mil criminosos foram flagrados em condutas ilícitas e denunciados à polícia. Mais: através da campanha “Stop Sextortion”, a entidade foi capaz de educar 3,5 milhões de adolescentes à respeito dos perigos do tráfico internacional de pessoas e o abuso sexual infantil. Através de sua fundação, o ator Ashton Kutcher salvou silenciosamente mais de 6 mil crianças do tráfico humano

A Thorn nasceu em 2009 sob o nome DNA Foundation com a missão de evitar e combater a exploração sexual de crianças. Em uma entrevista ao portal 48 Hours, Ashton Kutcher falou sobre seu trabalho na organização e admitiu que este tema é de “extrema sensibilidade” para ele.

“O que fazemos em nosso núcleo é construir tecnologia para ajudar a combater a exploração sexual de crianças. Você pode arregaçar as mangas e tentar ser como um herói e salvar uma pessoa, ou você pode construir uma ferramenta que permita a uma pessoa salvar muitas pessoas”, disse.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Celebridades

Um dos principais temas de “Era Uma Vez em… Hollywood”, novo filme de Quentin Tarantino, é o que diferencia um grande astro de um ator comum
Ártico: recanto “intocado” do planeta tem mais de 10 mil partículas de plástico por litro
Deixe seu comentário
Pode te interessar