Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Mostly Cloudy

Capa – Caderno 1 A Organização das Nações Unidas acredita que o regresso dos migrantes venezuelanos “vai demorar muito”

Retorno depende de uma "solução política interna". (Foto: UNHCR/Boris Heger/Nações Unidas)

O ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) e a OIM (Organização Internacional de Migração) acreditam que a volta dos venezuelanos que saíram do seu país, que cifram em 3,4 milhões, “vai demorar muito” a acontecer, e depende de uma “solução política interna”.

Em entrevista coletiva em Buenos Aires, o representante especial da OIM e do ACNUR para os refugiados e migrantes venezuelanos, Eduardo Stein, afirmou que, embora pelo seu papel não devem intervir, é “absolutamente essencial” manter-se “alerta” à evolução da agenda política, porque “deter o fenômeno no médio e no longo prazo depende de uma situação política interna na Venezuela”.

O político guatemalteco também disse que para ambas agências “está muito claro” que, mesmo após uma solução no país caribenho em um relativo curto prazo, o retorno dos milhões de emigrados “vai demorar muito”.

“Não vão retornar todos os que saíram, nem aqueles que queiram retornar vão fazer isso com a mesma velocidade com a qual se viram forçados a sair”, declarou.

Em seguida, Stein opinou que uma piora da crise política “pode agravar a pressão para que novamente aumentem os fluxos de população para fora”.

A OIM e o ACNUR publicaram na semana passada um estudo no qual cifraram em 3,4 milhões o número de venezuelanos que abandonaram seu país, dos quais 2,7 milhões se encontram em outras nações latino-americanas.

Além disso, calcularam a saída diária de 5.000 pessoas, razão pela qual projetam que o número de migrantes alcançará 5,3 milhões no final deste ano.

Para fazer frente a este problema, as duas agências pediram em dezembro do ano passado US$ 738 milhões, uma quantia à qual “pouco a pouco se está chegando”, segundo Stein.

De acordo com os dados do ACNUR e da OIM, a Colômbia é o principal país de amparada, com 1,1 milhão de imigrantes e refugiados venezuelanos, seguida por Peru (506.000), Chile (288.000), Equador (221.000), Argentina (130.000) e Brasil (96.000).

Escritório de petrolífera transferido

A Rússia, aliada do ditador venezuelano, Nicolás Maduro, prometeu nesta sexta-feira (1º) continuar com sua ajuda humanitária à Venezuela, enviando especialmente medicamentos.

“A Rússia continuará ajudando as autoridades da Venezuela a resolver as dificuldades econômicas e sociais, inclusive mediante a concessão de ajuda humanitária legítima”, declarou o ministro das Relações Exteriores, Serguéi Lavrov, após encontro com a vice-presidente Delcy Rodríguez.

Em sua visita a Moscou, a vice-presidente venezuelana afirmou que “Maduro instruiu que o escritório de petróleo da Venezuela na Europa, que se encontra em Lisboa, seja transferido a Moscou”.

“É uma forma de garantir nossa cooperação”, afirmou.

​Delcy Rodríguez reiterou seu “agradecimento ao presidente Putin […] e ao povo russo por todo o apoio”.

“Maduro deu instruções muito claras de que o povo da Venezuela precisa de alimentos, e que serão adquiridos da Rússia”, acrescentou.

Lavrov disse que a Rússia enviou “um primeiro lote de 7,5 toneladas de medicamentos” com destino à Venezuela. Moscou estuda um novo envio de remédios, pedido por Caracas, nos ​próximos dias.

“Recebemos uma lista suplementar de medicamentos que o governo venezuelano desejaria obter. Estamos examinando-a, esclarecendo os detalhes e verificando os detalhes logísticos”, afirmou o ministro.

Lavrov disse que a Rússia realiza “envios maciços de trigo” à Venezuela “que ajudam enormemente o governo venezuelano a superar os desafios humanitários atuais”.

A Rússia tem interesses econômicos e estratégicos no país de Maduro. O governo de Vladimir Putin estabeleceu laços militares já na época do antecessor do ditador, Hugo Chávez, e os mais eficazes equipamentos bélicos venezuelanos são de origem russa.

Moscou investiu e se tornou sócia da indústria de hidrocarbonetos do país, que tem algumas das maiores reservas de petróleo do mundo. Além disso, interessava a Putin manter um pé no “quintal” geopolítico dos EUA.

A preocupação é tanta que o Comando Sul das Forças Armadas americanas elenca a presença de Rússia e China na Venezuela como um dos maiores riscos para os interesses de Washington na região. A eleição de Jair Bolsonaro no Brasil trouxe mais um aliado de peso regional para a esfera americana, que contava até então com a Colômbia para enfrentar Maduro.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

Um projeto de lei quer que os agressores de mulheres usem uma tornozeleira eletrônica que emite alerta
Os perfis falsos de famosos espalham golpes no YouTube
Deixe seu comentário
Pode te interessar