Quarta-feira, 27 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fair

Saúde A abstinência sexual proposta pelo governo não vai vingar, dizem jovens

Compartilhe esta notícia:

Cresce proporção de bebês nascidos de adolescentes.

Foto: Reprodução
Cresce proporção de bebês nascidos de adolescentes. (Foto: Reprodução)

“Perigoso”, “errado”, “sensacional”. Os adjetivos escolhidos por adolescentes para descrever a política de abstinência sexual proposta pela ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, para enfrentar a gravidez precoce e doenças sexualmente transmissíveis (DSTs ) variam.

Mas têm uma coisa em comum: reconhecem que a chance de não vingar é grande e que investir em educação é crucial. A Folha ouviu oito jovens de São Paulo com até 18 anos, de diferentes locais e classes sociais, para saber o que pensam da medida.

De acordo com a pasta, a política focada nos benefícios da iniciação sexual tardia está em formulação e será complementar a políticas de estímulo a métodos contraceptivos.

Descrevem a abstinência como o único método 100% eficaz para evitar a gravidez indesejada. Ainda não há previsão de quanto será gasto.

O projeto vai ao encontro do que é defendido por movimentos como o Eu Escolhi Esperar (que prega a vida sexual após o casamento). Para especialistas, a política segue caminho errado e investir em educação seria mais eficaz.

O psiquiatra Jairo Bouer, que trabalha há cerca de 30 anos com adolescentes, classifica a iniciativa como inócua e irresponsável.

“Ninguém consegue impor abstinência ao outro. As pessoas decidem iniciar a vida sexual quando têm desejo e quando estão preparadas”, diz.

O médico diz que a medida pode vulnerabilizar jovens, que não terão informação e suporte para ter vida sexual independente e saudável: “A sexualidade pode se tornar um tabu a mais.”

É na adolescência que os hormônios sexuais começam a ser produzidos, o que leva os jovens a direcionarem a libido a uma outra pessoa, diz Carmita Abdo, coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex) do Hospital das Clínicas da USP.

A especialista acha que a medida é impraticável. “A ideia pode ser adotada por quem já tiver predisposição a isso, que se sentirá referendado e apoiado. Mas não pelos outros”, diz.

A melhor solução, afirma Abdo, seria investir em uma educação sexual contextualizada, que não contemple apenas o ponto de vista biológico mas também comportamental, ético e de futuro.

Afinal, são muitos fatores que levam a uma gravidez precoce, não apenas a falta de informação sobre preservativos; eles vão desde o desejo de ser mãe até sexo sob efeito de álcool e drogas.

Pesquisa feita pelo Prosex mostrou que os adolescentes iniciam a atividade sexual no país dos 13 aos 17 anos, com maior incidência aos 15 anos.

Segundo dados preliminares do Ministério da Saúde, os casos de gravidez na adolescência caíram 39% de 2000 a 2018.

O número, porém, segue alto: segundo a ONU, 62 em 1.000 jovens de 15 a 19 anos são gestantes. No mundo, a média é de 44 por 1.000.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse a um jornal americano que está no controle do país e pronto para conversar com os Estados Unidos
O pai de Meghan Markle acusou sua filha de depreciar a família real do Reino Unido
Deixe seu comentário
Pode te interessar