Sábado, 25 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Cinema Alain Delon se recupera de um AVC em clínica na Suíça

Compartilhe esta notícia:

Segundo informou o filho do ator, "as funções vitais estão perfeitas e ele se encontra estável". (Foto: Reprodução de internet)

O ator francês Alain Delon sofreu um AVC (acidente vascular cerebral) há algumas semanas e atualmente se recupera em uma clínica na Suíça, anunciou seu filho Anthony.  As funções vitais do ator, de 83 anos, estão “perfeitas e ele se encontra estável, segundo os médicos”, disse Anthony Delon.

“Meu pai teve um acidente vascular cerebral e uma leve hemorragia cerebral. Toda a família esteve ao seu lado”, indicou em um comunicado. Anthony Delon afirmou que em um primeiro momento seu pai tinha permanecido três semanas sob cuidados intensivos em um hospital de Paris.

Após se estabilizar, Alain Delon partiu para a Suíça e “se recupera tranquilamente”, acrescentou. “Minha irmã, que agora mora na Suíça, acompanha seu restabelecimento de perto e nos mantém a par de seus progressos diários”, concluiu o texto.

Na sexta-feira (09), nas redes sociais, Anouchka Delon, filha do ator, também confirmou o AVC do pai. “Ele teve muito sorte e está tudo bem. Não é de se admirar, pois ele é um lutador”, afirmou a atriz, que disse ainda que o pai já faz planos para projetos futuros.

Nas últimas semanas, várias revistas internacionais publicaram que o ator tinha sofrido um AVC e uma hemorragia cerebral. Em meados de junho, pessoas próximas ao ator revelaram à AFP que ele tinha dado entrada em um hospital americano com enjoo e dor de cabeça, aparentemente não graves.

Alain Delon, estrela do cinema francês, recebeu há algumas semanas no Festival de Cannes uma Palma de Ouro honorária das mãos de sua filha, Anouchka. Muito emocionado, proferiu um discurso com ares de testamento, falando de “homenagem póstuma, mas estando vivo”.

Carreira

Alain Delon nasceu na região da Borgonha, próximo a Paris. Quando tinha apenas quatro anos, seus pais, Edith e Fabian, se divorciaram. Delon foi adotado por um casal, mas pouco tempo depois o casal foi assassinado, e Delon retornou para sua mãe verdadeira, agora casada com um outro homem. Neste ponto, tinha uma meia-irmã e dois meio-irmãos. Teve uma infância problemática, sendo expulso de várias escolas. Aos 15 anos parou de estudar e, aos 17 anos alistou-se na marinha francesa, lutando na Indochina.

Em 1956, passou a viver em Paris. Sem dinheiro, trabalhou como porteiro, garçom, vendedor, nessa época, Delon conhece e se torna vizinho da futura cantora, Dalida, e Delon revelou há pouco tempo atrás que os dois haviam tido um caso nessa época, mesmo assim, se tornaram grandes amigos.

Em 1957, foi ao Festival de Cannes com o amigo Jean-Claude Brialy, onde chamou a atenção dos presentes pela sua beleza, entre eles David O. Selznick, que lhe ofereceu um contrato, desde que aprendesse a falar inglês. Delon, então, retornou a Paris para aprender inglês, mas lá conheceu o cineasta Yves Allégret, que o convenceu a começar sua carreira na França.

Com ele, Delon fez seu primeiro filme, Uma tal Condessa (Quand la femme s’en mele, 1957). No filme Christine contracenou com a atriz Romy Schneider, e por ela se apaixonou. Em 1959, foram morar juntos, e o relacionamento deles durou cinco anos.

O primeiro grande papel de Delon no cinema foi como Tom Ripley no clássico suspense O Sol por Testemunha (1959), dirigido pelo cineasta francês René Clément, baseado num livro da escritora Patricia Highsmith. Em 1960, Delon atuou em Rocco e Seus Irmãos, dirigido por Luchino Visconti, um dos filmes mais adorados da história do cinema. Ator e diretor tornaram-se amigos e trabalhariam juntos mais uma vez em outro clássico O Leopardo (1963), vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes.

A beleza física de Delon transformou-o em símbolo sexual dos anos 60 e 70. Apesar disso, sempre lutou para ser reconhecido como um grande ator, e não apenas um rostinho bonito. Em 1962, trabalhou com o cineasta Michelangelo Antonioni, no filme O Eclipse, última parte da célebre trilogia da incomunicabilidade desse diretor.

 

 

tags: suíça

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cinema

Vilão de Hollywood vira herói na vida real ao salvar bebê em acidente nos Estados Unidos
Miley Cyrus e Liam Hemsworth terminam o casamento, diz revista 
Deixe seu comentário
Pode te interessar