Quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Geral Amostras de rochas coletadas em Marte podem conter bolhas de água antigas

Compartilhe esta notícia:

Duas amostras de rochas coletadas pela Perseverance podem conter evidências de bolhas de água antigas. (Foto: JPL-Caltech/Nasa)

Duas amostras de rocha marciana coletadas pelo rover Perseverance podem conter evidências de bolhas de água antigas, de acordo com a Nasa (a agência espacial norte-americana). As amostras de rocha coletadas possuem sais minerais, que podem gerar percepções sobre o antigo clima e habitabilidade de Marte bilhões de anos atrás – e podem até mesmo preservar evidências de vida antiga, se ela existiu no Planeta Vermelho.

A Perseverance coletou com sucesso suas duas primeiras amostras de rocha em 6 e 8 de setembro. Elas foram apelidadas de Montdenier e Montagnac, oriundas da mesma rocha, chamada Rochette. O rover está explorando a cratera de Jezero, o local de um antigo lago há mais de 3 bilhões de anos.

“Como essas rochas eram de alto potencial científico, decidimos adquirir duas amostras aqui”, disse Katie Stack Morgan, cientista assistente do projeto Perseverance no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, em Pasadena, na Califórnia.

As rochas no interior da cratera podem mostrar aos cientistas detalhes sobre a atividade vulcânica antiga na área, bem como se a água esteve presente por longos períodos de tempo, ou se ela veio e se foi conforme o clima flutuava.

Essas duas amostras de rocha mostram que provavelmente a água subterrânea esteve presente por muito tempo na área.

“Parece que nossas primeiras rochas revelam um ambiente sustentável potencialmente habitável”, disse Ken Farley, cientista do projeto para a missão Perseverance do Instituto de Tecnologia da Califórnia, em um comunicado. “É uma grande coisa que a água esteve lá por muito tempo.”

Fluxos de lava

A rocha Rochette é de natureza basáltica, o que significa que provavelmente foi feita por fluxos de lava antigos. Minerais cristalinos dentro de rochas como esta podem ajudar os cientistas a obter uma datação extremamente precisa e dizer quando a rocha foi formada.

Os minerais de sal dentro das rochas são o resultado de as rochas serem alteradas ao longo do tempo. Elas podem ter se formado quando a água subterrânea mudou os minerais originais dentro da rocha de lava ou quando a água evaporou e deixou os sais para trás.

Embora a água subterrânea possa ter sido parte do lago que uma vez encheu a cratera de Jezero e seu delta do rio, os cientistas não podem ignorar o fato de que a água pode ter viajado através das rochas mesmo depois que o lago secou e desapareceu.

Esperança

As rochas também dão esperança à equipe científica do Perseverance, pois a água provavelmente esteve presente por tempo suficiente para criar um ambiente habitável onde a vida microbiana ancestral poderia ter prosperado.

Essas duas amostras são as primeiras de mais de 30 que serão coletadas pelo rover e, eventualmente, trazidas à Terra em várias missões, chamadas de Mars Sample Return, em 2031.

Uma vez retornada à Terra, uma parte das amostras será investigada de várias maneiras, enquanto o resto permanecerá selado para que futuros cientistas com melhor tecnologia possam estudá-las – bem como as amostras lunares da Apollo.

“Essas amostras têm alto valor para futuras análises de laboratório na Terra”, disse Mitch Schulte, cientista do programa de missão na sede da Nasa, em um comunicado.

“Um dia, poderemos descobrir a sequência e o tempo das condições ambientais que os minerais dessa rocha representam. Isso ajudará a responder à grande questão científica da história e estabilidade da água líquida em Marte.”

Quanto mais amostras a Perseverance coletar de pontos intrigantes da cratera e do delta do rio, mais provável será que os cientistas consigam montar o quebra-cabeça marciano que responde à pergunta final: existiu vida em Marte?

As duas amostras estão atualmente armazenadas em tubos de titânio no rover e, eventualmente, serão deixadas em um local onde uma missão futura possa recuperá-las.

O rover está se preparando para outra viagem para seu próximo local de amostra possível, chamado South Séítah, que fica a 656 pés (200 metros) de distância.

Esta região, que foi explorada pelo helicóptero Ingenuity durante seus dois últimos voos, está repleta de cumes cobertos por dunas de areia, pedregulhos e fragmentos de rocha.

Enquanto as duas primeiras amostras da rocha Rochette provavelmente representam algumas das rochas mais jovens no fundo da cratera, South Séítah provavelmente será um tesouro de camadas de rocha mais antigas que revelam mais sobre a história da cratera e seu lago.

Mas teremos que esperar. O início de outubro criará um blecaute de comunicação entre Marte e a Terra durante a conjunção solar de Marte, quando os dois planetas estão em lados opostos do Sol.

O Perseverance provavelmente começará sua exploração de amostragem do Sul de Séítah após esse período, que durará quase duas semanas. As informações são da CNN.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

Economia dará o tom da campanha eleitoral em 2022
Exposição de crianças nas redes sociais cresce na pandemia e vira até fonte de renda
Deixe seu comentário
Pode te interessar