Sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Após ser preso nos Estados Unidos, o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol José Maria Marin é banido do futebol e também foi multado em 3 milhões e 800 mil reais pela Fifa

Compartilhe esta notícia:

Em agosto do ano passado, a Justiça dos Estados Unidos condenou Marin a 48 meses de prisão. (Foto: Tomaz Silva/ABr)

A Câmara Independente do Comitê de Ética da Fifa considerou José Maria Marin, 86 anos, ex-presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e ex-membro de vários comitês da Fifa, culpado de suborno em violação ao Código de Ética da entidade máxima do futebol.

A investigação sobre Marin diz respeito a vários esquemas de propinas, em particular durante o período de 2012 a 2015, em relação ao seu papel na concessão de contratos para empresas e direitos de marketing para competições da Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol), Concacaf (Confederação da América do Norte e América Central) e CBF.

Em sua decisão, a Câmara Independente descobriu que Marin havia violado o art. 27 (Suborno) do Código de Ética da Fifa e, como resultado, baniu-o por toda a vida das atividades relacionadas ao futebol (administrativas, esportivas ou qualquer outra) em nível nacional e internacional. Além disso, aplicou uma multa no valor de 1 milhão de francos suíços (R$ 3,86 milhões).

Marin foi notificado da decisão nesta segunda-feira. Em agosto do ano passado, a Justiça dos Estados Unidos condenou Marin a 48 meses de prisão e a pagar multa de US$ 1,2 milhão (R$ 4,65 milhões) pelos crimes no Fifagate. Do período da pena, a estimativa é que ele cumpra somente 28 meses, com descontos por bom comportamento e abatimento por tempo de serviço.

Em meados de outubro, Marin foi transferido para uma penitenciária de segurança baixa em Allenwood, na Pensilvânia. No dia 20 de novembro do ano passado, o ex-presidente da CBF foi sentenciado a pagar sozinho US$ 137.532,60 (cerca de R$ 521 mil) e a dividir com outros condenados um total de US$ 2,14 milhões (R$ 8,1 milhões) pelos escândalos de corrupção.

Do valor que pagará sozinho, US$ 19.532,60 (R$ 74 mil) serão devolvidos à Fifa como restituição por salários e benefícios – a entidade queria US$ 97.663 (R$ 369 mil). A Conmebol receberá US$ 118 mil (R$ 447 mil), também por salários e benefícios. A entidade havia pedido US$ 590 mil (R$ 2,2 milhões) na ação.

O total é referente a salários e benefícios (como diárias e passagens) que foram pagos ao cartola de 2012 a 2015, quando ele ocupou cargos na Fifa e na Conmebol. Diferentemente das confederações internacionais, a CBF não se declarou vítima no processo, por isso não receberá nada do cartola.

Desde dezembro de 2017, quando foi condenado por receber propinas e lavar dinheiro no escândalo de corrupção da Fifa, ele estava detido no Metropolitan Detention Center, um presídio no Brooklyn, em Nova York. O local abriga 1.748 presos, segundo dados do centro prisional.

Marin foi preso em maio de 2015 na Suíça e extraditado em novembro do mesmo ano para os Estados Unidos. Ele assumiu a presidência da CBF em 2012, aos 79 anos, para cumprir o restante do mandato de Ricardo Teixeira, que renunciou.

Marin era o vice mais velho e, por isso, ficou com o posto, seguindo o estatuto da confederação. Antes de ser presidente da CBF, foi vereador, deputado estadual e governador de São Paulo.

As acusações no chamado Fifagate englobam ações de suborno, fraudes e de lavagem de dinheiro. Os cartolas teriam recebido pagamentos ilegais, que começaram em 1991 e atingiram duas gerações de dirigentes e executivos, que movimentaram mais de R$ 564 milhões.

Empresários do marketing esportivo como Alejandro Burzaco, da Torneos y Competencias, J. Hawilla, da Traffic, e Hugo Jinkis e Mariano Jinkis, pai e filho donos da Full Play, teriam subornado os cartolas com viagens de jatinho, banquetes em restaurantes badalados e suítes de hotéis cinco estrelas. O objetivo era obter vantagens na negociação de contratos para terem os direitos de transmissão de partidas da Copa do Mundo.

tags: cbfFifa

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Bolsa sobe e dólar cai nesta terça-feira
Ex-ministro de Bolsonaro que atuava como advogado do atual presidente da República se queixa da falta de consideração mas fala que ele não deve nada de honorários
Deixe seu comentário
Pode te interessar