Terça-feira, 04 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Fair

Mundo Após serem inimigos por mais de 50 anos, EUA e Cuba selam reconciliação com abertura de embaixadas

Compartilhe esta notícia:

Bandeira cubana será hasteada nessa segunda-feira em prédio de Washington. (Foto: Reprodução)

Estados Unidos e Cuba formalizam nessa segunda-feira o restabelecimento de suas relações diplomáticas com a reabertura de embaixadas em Washington e Havana, um passo definitivo que encerra mais de 50 anos de ruptura e desconfiança.

Pela primeira vez desde 1961, quando os países romperam relações, a bandeira cubana será hasteada na mansão de pedra calcária que era a Seção de Interesses de Cuba nos EUA.

O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodriguez, vai oficiar a cerimônia, na qual inaugurará uma placa com o novo estatuto da representação na presença de cerca de 500 pessoas no antigo edifício, localizado em uma linha reta desde a Casa Branca.

Rodriguez irá, em seguida, reunir-se com o seu colega norte-americano, John Kerry, na sede do Departamento de Estado, onde a bandeira cubana também será içada.

Enquanto isso, em Havana, o edifício de concreto maciço que abriga a delegação dos EUA espera uma silenciosa transformação em embaixada, sem eventos oficiais planejados até o momento.

Mas, para fins práticos, os dois países estarão assim restaurando as relações diplomáticas, fechando o último capítulo da Guerra Fria nas Américas.

Este passo é resultado do “novo espírito pragmático que molda o ambiente” entre os dois países, declarou Ted Piccone, especialista em Cuba do Instituto Brookings, à agência de notícias France Presse.

De fato, a reabertura das embaixadas é a primeira ação concreta de reaproximação desde que os dois países anunciaram em 17 de dezembro o descongelamento das relações, que foi seguido de meses de negociações.

O presidente cubano, Raúl Castro, definiu esta semana como a conclusão da primeira fase do processo de normalização, cujo principal objetivo é acabar com o embargo econômico contra Cuba, em vigor desde 1962.

Em 20 de julho “começará uma nova etapa, longa e complexa, no caminho para a normalização das relações, e que necessitará de vontade para encontrar soluções para os problemas que se acumularam ao longo de cinco décadas e que afetaram os laços entre nossos países e povos”, acrescentou.

A agenda bilateral é ampla: aviação civil, meio ambiente, luta contra o tráfico de droga, bem como o interesse dos educadores e empresários para aumentar o intercâmbio.

Os dois países “devem se mover rapidamente para aproveitar a reabertura”, disse Piccone.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Seguros piratas põem motoristas em perigo
Teto das aposentadorias do INSS deve passar para 5 mil reais em 2016
Deixe seu comentário
Pode te interessar