Segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Caso Henry: novo laudo aponta lesões no rosto do menino causadas por unha

Compartilhe esta notícia:

A criança morreu no dia 8 de março, na Barra da Tijuca, no Rio

Foto: Reprodução
A criança morreu no dia 8 de março, na Barra da Tijuca, no Rio. (Foto: Reprodução)

Um laudo complementar do IML (Instituto Médico Legal), concluído nesta semana, reforça que o menino Henry Borel, de 4 anos, não morreu em um acidente doméstico, como alegam o padrasto da criança, Dr. Jairinho, e a mãe, Monique Medeiros. Os dois estão presos. A criança foi morta no Rio de Janeiro.

A perícia também revelou que algumas lesões no rosto do garoto foram provocadas por unhas. O laudo anterior apontava 23 lesões, mas não detalhava que as marcas na face do menino – no nariz e próximas ao olho – eram compatíveis com “escoriações causadas por unha”. Os peritos não indicam como essas lesões podem ter sido causadas.

“As lesões na região nasal e infra orbital esquerda são compatíveis com escoriações causadas por unha”, diz o laudo. A nova análise respondeu a perguntas feitas pelo delegado responsável pela investigação, Henrique Damasceno.

Morte

A mãe e o padrasto do menino alegam que ele caiu da cama na madrugada de 8 de março no apartamento onde moram na Barra da Tijuca. A criança foi levada a um hospital. A perícia do IML, no entanto, apontou sinais de violência.

Após semanas de investigação, os dois foram presos. A polícia acredita que o vereador tenha agredido Henry e que a mãe foi conivente. O casal nega o crime.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Ministro da Educação diz que houve “falha de TI” no cálculo do número de alunos para repasses do Fundeb
Plano nacional de combate ao desmatamento ilegal na Amazônia vai custar 1 bilhão de dólares, afirma ministro
Deixe seu comentário
Pode te interessar