Terça-feira, 24 de Novembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Fair

Agro Com redução nas vendas de soja e fumo, exportações do agronegócio gaúcho registram queda no terceiro trimestre

Compartilhe esta notícia:

Redução verificada foi de 14,5% na comparação com o mesmo período de 2019

Foto: ivulgação/Sistema Farsul
Redução verificada foi de 14,5% na comparação com o mesmo período de 2019. (Foto: Divulgação/Sistema Farsul)

As exportações do agronegócio gaúcho totalizaram U$ 3 bilhões no terceiro trimestre de 2020, uma redução de 14,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

A baixa nas vendas externas do segmento foram puxadas pelo complexo soja, principal setor exportador do Estado (menos US$ 293,9 milhões; -17,5%), pelo setor de fumo (menos US$ 232 milhões; -39,5%) e pelos produtos florestais (menos US$ 64,9 milhões; -22%). Cereais, farinhas e preparações (mais US$ 78,9 milhões; +103,5%) e carnes (mais US$ 23,6 milhões; +4,8%) tiveram destaque positivo no período. Em valores absolutos, a queda total foi de US$ 506,6 milhões.

No acumulado do ano, entre janeiro e setembro, as exportações do agronegócio somaram US$ 8 bilhões, uma queda de 8,7% (menos US$ 762,3 milhões) quando comparado com os nove primeiros meses de 2019. O resultado negativo foi determinado principalmente pelos setores de produtos florestais (menos US$ 642,2 milhões; -49%) e de fumo e seus produtos (menos US$ 492,3 milhões; -35,8%).

Os dados sobre as vendas externas do setor, que corresponderam a 74,4% das exportações totais do Estado no terceiro trimestre, fazem parte do boletim Indicadores do Agronegócio do RS, divulgado na manhã desta quarta-feira (11) pela SPGG (Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão) e elaborado pelos analistas do DEE/SPGG (Departamento de Economia e Estatística) Rodrigo Feix e Sérgio Leusin Júnior.

Terceiro trimestre

A estiagem que afetou o Rio Grande do Sul no início de 2020 e o aumento nos embarques no primeiro semestre, impulsionado pela alta nos preços, explicam o resultado negativo do complexo soja no terceiro trimestre.

A principal redução nas vendas do setor foi a de soja em grão (menos US$ 274,5 milhões; -19,4%). O setor de fumo registrou a segunda maior queda absoluta no período, com o seu principal produto, o fumo não manufaturado, tendo uma redução de US$ 240,4 milhões em vendas (-43,8%). Neste caso, a estiagem, que reduziu em 22,5% a produção, e a queda dos preços médios em dólar foram as principais responsáveis pelo desempenho.

No setor de cereais, farinhas e preparações, o resultado positivo se deve, principalmente, pelo aumento expressivo nas exportações de arroz (mais US$ 74,7 milhões; +105,1%). Nas carnes, a alta nas vendas de carne suína (mais US$ 66,6 milhões; +66,5%) e da carne bovina (mais US$ 31 milhões; +47,5%) compensaram a redução nas vendas do principal produto do setor, a carne de frango (menos US$ 70,4 milhões; -24%).

Entre os principais destinos dos produtos gaúchos no terceiro trimestre, a China se manteve em primeiro lugar, representando 46,6% do total exportado, seguido da União Europeia (15,6%), Estados Unidos (4,5%), Arábia Saudita (2,7%) e Argentina (1,8%).

Apesar de permanecer na liderança, a China foi responsável pela maior redução absoluta no valor das exportações gaúchas (menos US$ 370,9 milhões; – 21%), concentrada na queda das vendas de soja em grão (-18,8%), fumo não manufaturado (-99,2%) e celulose (-57,1%).

Acumulado do ano

Entre janeiro e setembro, mesmo com a redução geral, o complexo soja (US$ 3,5 bilhões) e carnes (US$ 1,5 bilhão) lideraram o ranking de vendas do agronegócio. O boletim aponta o resultado surpreendente das vendas da soja em grão (mais U$$ 96,2 milhões; +3,5%), uma vez que a oferta do produto foi prejudicada em função da estiagem no Rio Grande do Sul. O setor de cereais, farinhas e preparações também surpreendeu, com destaque, novamente, para as exportações de arroz (mais US$ 165,8 milhões; +75,1%).

No caso dos produtos florestais, as vendas de celulose foram as mais prejudicadas, e o Rio Grande do Sul viu sua participação no ranking nacional de exportadores do produto cair de 18,3% em 2019 para 9,8% em 2020.

Quanto aos destinos das exportações nos nove primeiros meses do ano, a China continua na liderança. O país asiático foi o responsável por 45% das compras do agronegócio gaúcho no período, seguido de União Europeia (13,1%), Estados Unidos (4,4%), Arábia Saudita (2,9%) e Coreia do Sul (2,8%). Com exceção da Coreia do Sul (+8,7%), todos os demais do topo do ranking registraram quedas nas compras.

Tendência para o último trimestre de 2020

O documento divulgado pelo DEE aponta que o agronegócio está entre os setores da economia menos prejudicados pela pandemia do coronavírus. A estiagem, no entanto, foi mais impactante, especialmente no setor fumageiro, no qual influenciou a produção em quantidade e qualidade.

Para o complexo soja, mesmo afetado pela quebra na produção, os embarques até setembro cresceram em valor e volume. A tendência, no entanto, é de queda acentuada nas exportações no último trimestre do ano.

“Tendo em conta a menor disponibilidade do produto nos armazéns e as necessidades para atender à demanda doméstica das indústrias de rações e óleos vegetais, é possível projetar menores volumes embarcados de soja até dezembro. Além da oferta mais restrita, o período coincide com o escoamento da safra dos Estados Unidos, que registrou um forte crescimento em vendas para o mercado chinês”, explicou o pesquisador do DEE, Sérgio Leusin Júnior.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Agro

Presidente do Supremo cria comitê cibernético para enfrentar crimes virtuais contra o Judiciário
As vendas do comércio brasileiro crescem pelo quinto mês e eliminam perdas no ano
Deixe seu comentário
Pode te interessar