Quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Porto Alegre De forma inédita, prefeito de Porto Alegre anuncia venda de área para cooperativa habitacional na Restinga

Compartilhe esta notícia:

Melo diz que o acordo é importante para política de regularização fundiária.

Foto: Mateus Raugust/PMPA
Melo diz que o acordo é importante para política de regularização fundiária. (Foto: Mateus Raugust/PMPA)

O prefeito Sebastião Melo deu sinal verde neste sábado (9), em visita à Ocupação Vida Nova, no bairro Restinga, para que a equipe da prefeitura, através das diversas secretarias, dê andamento ao acordo que permitirá a venda da área para a cooperativa formada pelos moradores. Este processo é algo inédito na política habitacional de Porto Alegre. A sinalização foi feita à direção da Cooperativa Habitacional Loteamento Vida Nova, que recebeu o prefeito e secretários municipais pela manhã de sábado.

Segundo Melo, este é um importante passo para o andamento da política de regularização fundiária do município, uma das prioridades da gestão. “Olhar para os que mais precisam. Nosso governo tem esse traço e este compromisso. Vamos dar seguimento a esta proposta envolvendo a Vida Nova”, comentou o prefeito. A prefeitura já está melhorando diversos serviços na região, como patrolamento das ruas e serviços de limpeza.

O valor fixado pela área ocupada pela Vida Nova foi de R$ 3.241.000,00, a partir de avaliação de técnicos de Secretaria Municipal da Fazenda. A área estava originalmente gravada como integrante do Parque Industrial da Restinga.

A partir de agora, a cooperativa discutirá com as 438 famílias a forma do acordo, que deve ser sacramentado em audiência na Justiça em agosto. A prefeitura está propondo uma carência de 12 meses para o início dos pagamentos, especialmente em razão da crise econômica causada pela pandemia. O prazo de pagamento ainda está sendo discutido, levando em conta, principalmente, o valor das parcelas para que as famílias consigam pagar.

O secretário de Habitação e Regularização Fundiária, André Machado, enfatiza que o avanço na negociação com a Cooperativa Vida Nova mostra que a organização dos moradores em cooperativas facilita o trabalho conjunto. “Temos 50 cooperativas ativas cadastradas no Departamento Municipal de Habitação (Demhab), todas lutando por habitação e por regularização, cada uma com as suas particularidades. É um caminho efetivo e que terá atenção especial nesta gestão”, destaca Machado, que coordena o processo com apoio de outras secretarias e órgãos municipais.

Para a presidente da cooperativa, Jaqueline de Castro, a sinalização da prefeitura sobre a venda da área é muito positiva para a comunidade. “Para nós é de extrema importância porque o que nós queremos é pagar pela área e fazer a regularização. Demos um grande passo”, comemora a presidente.

Também participaram da ação deste sábado os secretários de Governança Local e Articulação Política, Cássio Trogild; de Administração e Patrimônio, André Barbosa; de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rodrigo Lorenzoni; e adjunto, Vicente Perrone; o procurador-geral do Município, Roberto Rocha; e o chefe da PPDP/PGM, Guilherme Faraco; diretor-adjunto do Departamento Municipal de Água e Esgotos (DMAE), Darcy Nunes dos Santos; diretor-geral do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), Paulo Marques; e as secretárias adjuntas de Habitação e Regularização Fundiária, Simone Somensi, e de Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade, Camila Nunes.

Ainda acompanharam a agenda as vereadoras Comandante Nádia, vice-líder do Governo na Câmara Municipal, e Cláudia Araújo, além de lideranças do Orçamento Participativo e de movimentos de luta pela moradia.

Histórico – A Ocupação Vida Nova – atualmente Cooperativa Habitacional Loteamento Vida Nova – nasceu a partir da ocupação irregular de áreas do município em fevereiro de 2015 e tem, atualmente, 438 famílias. Neste mesmo ano, a Procuradoria Geral do Município (PGM) ingressou com ação de reintegração de posse na Justiça, buscando reaver a área. A situação passou a ser discutida no Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (CEJUSC), onde as questões envolvendo a aquisição da área começaram a tomar forma. Assim, pode-se ter início o processo de regularização fundiária no local.

A regularização fundiária é um dos projetos centrais da atual gestão na área habitacional. Porto Alegre tem 789 áreas ocupadas irregularmente. A meta da prefeitura é regularizar pelo menos 6 mil lotes durante os quatro anos do governo. Para isso foi criada a Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária, que irá unificar os braços de atuação na regularização existentes no município – no Demhab e na PGM.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Porto Alegre

Secretaria de Educação do RS divulga balanço sobre retorno das aulas presenciais nas escolas estaduais
Porto Alegre tem 30 casos confirmados de dengue entre os moradores; cinco importados e 25 autóctones
Deixe seu comentário
Pode te interessar