Terça-feira, 28 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Partly Cloudy / Wind

Brasil Delator só denunciou políticos ao perceber que teria problemas na Justiça ao não contar tudo que sabia

Camargo resistiu por meses a incriminar políticos. (Foto: Reprodução)

O lobista Julio Camargo, que acusa o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-ministro José Dirceu de receber dinheiro sujo desviado da Petrobras, só decidiu incriminá-los depois que os procuradores da Operação Lava-Jato o convenceram de que teria problemas na Justiça se não contasse tudo que sabe.

Camargo, que trabalhou para fornecedores da Petrobras e diz ter pagado 137 milhões de reais em propina para o PMDB, o PT e funcionários da estatal petrolífera, colabora com as investigações da Lava-Jato desde outubro do ano passado, quando assinou um acordo de delação premiada e confessou vários dos seus crimes.

Mas ele resistiu por meses a incriminar os políticos com quem se relacionou, como Cunha e Dirceu. Sua guinada começou a ser produzida na última semana de junho, quando foi chamado pelos procuradores da Lava-Jato para uma reunião em Curitiba (PR).

Os investigadores mostraram a Camargo que tinham evidências de que ele vinha escondendo informações comprometedoras sobre políticos, e lembraram ao lobista que isso poderia levar ao rompimento do acordo de delação premiada, que garante redução de pena e outros benefícios.

De acordo com o relato de um dos participantes, a reunião foi tensa, mas o lobista cedeu e afirmou ter pagado propina ao ex-ministro. Camargo também disse aos procuradores que emprestou um avião particular a Dirceu depois que ele deixou o governo Lula, em meio ao escândalo do mensalão.

Em depoimentos anteriores, ele negou ter prestado esse favor. Dirceu, que foi condenado no julgamento do mensalão e atualmente cumpre pena de prisão domiciliar em Brasília, nega ter recebido propina para facilitar negócios na Petrobras e diz que pagou pelo avião particular. (Folhapress)

Voltar Todas de Brasil

Compartilhe esta notícia:

“Eu não sou pau-mandado”, reage deputado aliado de Cunha
Reduzir a meta fiscal é ilusão e pode até aprofundar arrocho, diz ministro da Fazenda
Deixe seu comentário
Pode te interessar