Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre

Rio Grande do Sul Depois de sobrevoar regiões alagadas pela chuva no Vale do Taquari, o governador gaúcho foi recebido por prefeitos de cidades atingidas

Compartilhe esta notícia:

Após o desembarque, Leite visitou local de acolhimento de famílias desabrigadas. (Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini)

No final da manhã desta sexta-feira (10), o governador gaúcho Eduardo Leite visitou a cidade de Lajeado, no Vale do Taquari, uma das regiões do Rio Grande do Sul mais afetadas pelas cheias de rios devido à chuva dos últimos dias. Antes, ele sobrevoou de helicóptero São Sebastião do Caí, também atingida, acompanhado pelo chefe da Casa Militar e coordenador da Defesa Civil, coronel Júlio César Rocha Lopes.

Ao desembarcar, o chefe do Executivo foi recebido por um grupo de prefeitos, que apresentou um detalhamento da situação da região. Em seguida, visitou o Parque do Imigrante, local onde diversas famílias estão sendo acolhidas após ficarem desabrigadas ou deselojadas.

“Viemos, antes de tudo, prestar nossa solidariedade”, ressaltou. “A Defesa Civil está especialmente dedicada a ajudar nas remoções das famílias e a dar apoio nos abrigos. Recolhemos as demandas dos prefeitos e vamos, a partir daí, dar encaminhamento ao que for necessário para a reconstrução do que tiver sido prejudicado pela enchente.”

De acordo com o último boletim da Defesa Civil, publicado por volta do meio-dia, a situação das duas cidades é a mais crítica, por conta da enchente causada pelo rio Taquari. Em Lajeado, há 300 desabrigados e 400 desalojados, enquanto em São Sebastião do Caí são 160 desabrigados e 1,7 mil desalojados.

Para Lajeado, a Defesa Civil já enviou 3 mil máscaras faciais, 300 tubos de álcool-gel, 300 tubos de sabonete líquido e 20 protetores faciais, já que as famílias que precisaram ser removidas das casas onde moram foram transferidas a um abrigo e, devido à situação de pandemia, é preciso redobrar os cuidados neste momento em que ficarão juntas em um mesmo espaço.

O mesmo suporte foi oferecido a São Sebastião do Caí, que recebeu 10 mil máscaras faciais, 300 cobertores, 300 tubos de álcool-gel, 300 sabonetes em barra, 20 protetores faciais, quatro caixas de luvas de procedimentos e 2 mil agasalhos.

“Estamos com todas as equipes da Defesa Civil Estadual mobilizadas para prestar suporte técnico e enviar ajuda humanitária às cidades atingidas”, afirmou o coronel Rocha.

Participaram do encontro os prefeitos Marcelo Caumo (Lajeado), Clóvis Alberto Pires Duarte (São Sebastião do Caí), Klaus Werner Schnack (Arroio do Meio), Celso Kaplan(Imigrante), Lourival Bernardino Seixas (Muçum), Edmilson Busatto (Bom Retiro do Sul), Lairton Hauschild (Cruzeiro do Sul) e Rafael Mallmann (Estrela).

Chuva intensa

Ainda conforme o órgão, choveu em torno de 180 milímetros em São Sebastião do Caí. A média para o mês de julho é de 160 milímetros. Em Lajeado, a chuva também foi de aproximadamente 180 milímetros, ante média de 148 milímetros. O volume foi medido do dia 1° de julho até esta sexta-feira (10).

No total, 1.210 pessoas estão desabrigadas e 3.375 estão desalojadas nas 29 cidades afetadas pela chuva. Há, também, relatos de danos em 436 edificações, de acordo com levantamento da Defesa Civil. Duas pessoas morreram, em Caxias do Sul e em Colinas, em decorrência do temporal.

(Marcello Campos)

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Irmã do presidente Supremo é investigada por suspeita de nepotismo
A prefeitura de Porto Alegre protocolou na Câmara de Vereadores um pacote de projetos para combater a crise econômica gerada pela pandemia
Deixe seu comentário
Pode te interessar