Segunda-feira, 24 de junho de 2024

Porto Alegre
Porto Alegre, BR
15°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui


Política Deputado encena aborto em sessão do Congresso em ato contra método de interrupção legal da gravidez

Compartilhe esta notícia:

Zacharias Calil usou um modelo anatômico feminino para mostrar como ocorre a assistolia fetal e protestar contra a decisão do Supremo.

Foto: Reprodução/YouTube
Zacharias Calil usou um modelo anatômico feminino para mostrar como ocorre a assistolia fetal e protestar contra a decisão do Supremo. (Foto: Reprodução/YouTube)

Durante sessão da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (28), o deputado federal doutor Zacharias Calil (União-GO) encenou como ocorre o aborto por assistolia fetal. O ato foi uma manifestação contra o método de interrupção legal da gravidez.

No intervalo das votações, foi dada a palavra ao deputado. Calil, que é cirurgião pediátrico e anuncia ser, junto a sua equipe, referência na separação de gêmeos siameses, utilizou um modelo anatômico feminino para representar o que acontece com o feto após a introdução medicamentosa na pessoa gestante. “Com toda propriedade venho aqui mostrar para vocês o que é uma assistolia fetal”, diz.

O parlamentar começa o discurso informando ser contra a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu a diretriz do Conselho Federal de Medicina (CFM) a respeito da interrupção da gravidez em casos de estupro.

“Isso aqui é o abdômen de uma mulher grávida de seis, sete, oito meses. Vou tirar a parede abdominal, onde você podem ver o feto já encaixado, a placenta e o cordão umbilical”, mostra o médico com o apoio do modelo anatômico levado à sessão.

Ele explica que são usados dois medicamentos para interromper a gravidez, cloreto de potássio e lidocaína, que são aplicados por uma injeção no feto dentro da barriga gestante com o auxílio de uma ultrassonografia.

“O médico, através desse exame de ultrassom vai provocar o que? Uma crueldade. Um processo extremamente doloroso e de tortura no feto. Vai injetar isso aqui com essa agulha, desse tamanho, exatamente no coração da criança”, afirma.

Calil argumenta que a decisão de realizar o procedimento precisa ser dos profissionais da saúde. “Cabe a nós médicos decidirmos. Isso daqui não é um impedimento de aborto, é um feticídio. Nós não podemos permitir que isso aconteça com as nossas crianças”, declara.

O deputado ainda aponta que o a prática não é permitida para animais e compara o procedimento à pena de morte, que é proibida no Brasil. De acordo com o parlamentar, a adoção é uma alternativa para pessoas que desejam abortar.

“O pessoal critica, mas nós temos a adoção. Pode levar essa gestação até o final. Existe uma fila de adoção que vai daqui até Goiana para recém-nascidos”, afirma.

“Estamos a disposição aqui para contrariar exatamente essa suspensão do Supremo Tribunal Federal a pedido de um partido político”, finaliza Calil que diz novamente que a discussão cabe ao CFM.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 80 milhões
Impactos das enchentes: Rio Grande do Sul deixa de arrecadar quase 23% do ICMS
https://www.osul.com.br/deputado-encena-aborto-em-sessao-do-congresso-em-ato-contra-metodo-de-interrupcao-legal-da-gravidez/ Deputado encena aborto em sessão do Congresso em ato contra método de interrupção legal da gravidez 2024-05-28
Deixe seu comentário
Pode te interessar