Domingo, 14 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Geral Empresário de Jurerê suspeito de dopar e estuprar mulher tem prisão mantida pela Justiça

Compartilhe esta notícia:

A decisão por manter a prisão preventiva é da 4ª Vara Criminal de Florianópolis. (Foto: Reprodução)

O empresário e advogado de 48 anos morador de Jurerê, em Florianópolis, suspeito de dopar e estuprar uma jovem em 2019 teve a prisão preventiva mantida pela Justiça. Uma audiência de custódia ocorreu nesta sexta-feira (24). O homem foi preso na cidade de São Paulo na quinta-feira (23) e deve ser transferido para Santa Catarina.

O advogado Osvaldo Dunke, que faz a defesa do empresário André Luis Galle Dal Pra, disse que o caso está em segredo de justiça e, por isso, não vai comentar em detalhes sobre o processo. “Informamos que, por respeito ao judiciário, apenas nos manifestaremos nos autos, mas que em breve ficará comprovado que os fatos narrados são inverídicos e que será demonstrada a inocência do acusado”, declarou.

A decisão por manter a prisão preventiva é da 4ª Vara Criminal de Florianópolis. O pedido de prisão foi feito pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). A Justiça concedeu o mandado depois que houve indícios de que o homem tentou coagir uma das testemunhas.

O MPSC denunciou o empresário por estupro de vulnerável, já que a vítima não pôde oferecer resistência por estar dopada, e por filmar e fotografar o ato sexual sem autorização da mulher. Segundo o Código Penal, juntos os crimes preveem pena de até 15 anos de prisão. Na época do crime, a vítima tinha 20 anos.

A Polícia Civil catarinense informou que o homem foi preso em um hotel.

Denúncia

De acordo com o MPSC, os crimes ocorreram em 14 de novembro de 2019, entre 22h30 e às 6h do dia seguinte, em Jurerê. Além de dopar e estuprar a vítima, o empresário filmou e fotografou os atos sexuais ilegais com um celular.

Para atrair a mulher, segundo a denúncia, ele a convidou para um jantar na casa dele e ofereceu uma taça de vinho a ela com a droga. Após beber, a vítima sentiu um mal-estar, calor, boca seca e desorientação. Ela também não se lembra do que aconteceu depois, apenas em flashes.

Ainda conforme a denúncia, o estupro, a droga colocada na bebida dada à vítima e a filmagem foram comprovados em laudos periciais.

Ao acatar pedido de prisão do MPSC, o juiz Rafael Brünning disse que identificou, ainda, boletins de ocorrência que relatam episódios de perseguição e ameaça do empresário à ex-esposa. Ele também teria ameaçado por meios virtuais, inclusive de morte, a babá das filhas do ex-casal e o atual namorado da ex-companheira. As informações são do portal de notícias G1.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

Estados norte-americanos já começam a se posicionar sobre o aborto; veja quais vão proibir e quais vão manter o direito
Alemanha derruba lei da era nazista que dificulta o aborto
Deixe seu comentário
Pode te interessar