Domingo, 14 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Mist

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política “Eu, lá atrás, era estatizante”, diz Bolsonaro

Compartilhe esta notícia:

O presidente disse que passou por uma mudança de perspectiva econômica com o passar dos anos

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta quarta-feira (06) que, quando era jovem, tinha um perfil “estatizante”. A declaração foi dada em conversa com apoiadores no cercadinho do Palácio da Alvorada, enquanto Bolsonaro fazia críticas a regimes de esquerda na América Latina.

O presidente disse que passou por uma mudança de perspectiva econômica com o passar dos anos. “Eu, lá atrás, quando era jovem, eu era estatizante. Como dizem, né: ‘Quem até os 20 não foi de esquerda não tem coração. Quem, depois dos 30, continua de esquerda não tem cérebro’. O pessoal insiste. Me aponte um país que deu certo. Não tem.”

Segundo o presidente, os regimes de esquerda “querem a miséria do povo”. “Eles querem a miséria do povo para dizer que eles são as pessoas que vão salvar aquela população daquela situação em que se encontram. […] Eu posso botar a Casa da Moeda para rodar 24 horas por dia. Vai adiantar alguma coisa? Na Venezuela, o pessoal rodou moeda à vontade lá.”

Em certo momento, Bolsonaro interrompeu o diálogo com os apoiadores para chamar o advogado-geral da União, Bruno Bianco, para a conversa. “Alguém sabe quem é esse cara aqui? É um dos caras mais importantes meus, advogado-geral da União. A obrigação dele é defender os três Poderes, não é isso?”

Na terça-feira (05), a AGU afirmou que não houve interferência de Bolsonaro nas investigações da Polícia Federal sobre o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro. Em áudios vazados, o ex-ministro da Educação diz que foi informado pelo presidente sobre uma operação da PF contra ele.

Na semana passada, o presidente assinou um decreto que delega ao AGU a última palavra sobre se a criação de benefícios eleitorais infringe a legislação eleitoral. O órgão passou a ser responsável por emitir pareceres sobre dúvidas relativas ao tema. A decisão do presidente foi tomada enquanto o governo tenta aprovar a PEC dos Auxílios, que inclui uma série de benefícios relativos aos combustíveis.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Pesquisa aponta o crescimento do emprego por dois anos consecutivos na indústria gaúcha
Superior Tribunal de Justiça confirma exigência de exame toxicológico para renovação de CNH
Deixe seu comentário
Pode te interessar