Sábado, 29 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Fair

Colunistas Fortunati compara Marchezan a Trump

Prefeito eleito da Capital, Nelson Marchezan Jr (E) e José Fortunati (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

A cada novo pronunciamento que faz, o novo prefeito da capital gaúcha, Nelson Marchezan Júnior, desconstitui aos poucos, a imagem do seu antecessor, José Fortunati. O fato repetiu-se ontem quando Marchezan alardeou em alto e bom som que herdou um rombo no Orçamento de 2017, que pode chegar a assombrosos 1,3 bilhão de reais.

Números impressionantes

Os números apresentados pelo prefeito são de causar espanto, se confirmados. O Executivo deve pelo menos R$ 507 milhões em contas vencidas até 31 de dezembro. Marchezan calcula que, se o seu antecessor não tivesse antecipado a cobrança do IPTU, o buraco que ele teria herdado seria ainda maior, chegando a R$ 622 milhões apenas no que se refere a contas vencidas até 31 de dezembro. Dezenas de fornecedores da capital gaúcha passaram a conviver com o calote desde setembro do ano passado.

Salários vão atrasar

Para arrematar, o prefeito de Porto Alegre disse ontem algo que os servidores estaduais já estão acostumados a ouvir: os salários dos servidores municipais vão atrasar.

Fortunati compara Marchezan a Donald Trump

O ex-prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, aparentemente acusou o golpe, e rebateu de forma dura as manifestações de Marchezan. No Twitter, Fortunati chegou a comparar o sucessor ao novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump:

“Ao que parece o Marchezan vai ‘inflar’ os números do déficit da prefeitura para continuar ‘vendendo’ a ideia da existência do ‘caos’. Tentou de todas as formas a concessão do desconto do IPTU, praticado a 28 anos, para impedir o pagamento dos salários dos servidores.

Contratou um ‘marqueteiro’, inflou os dados e tentará ‘provar’ que existe um ‘quadro assustador’ das finanças da prefeitura.

E o que é pior, alguns embarcam com naturalidade neste discurso ‘arrasa quarteirão’ para respaldar medidas impopulares posteriormente. Durante toda a sua vida política ele só soube atacar e criticar o MP, a Justiça, o Tribunal de Contas, etc, sem construir nada de positivo.

Como está com dificuldades de administrar pela inexperiência tem que continuar com o discurso destrutivo para desviar a atenção. Ele simplesmente ignora a maior crise econômica que o Brasil enfrenta desde a quebra da Bolsa em 1929 e a crise do RS.

Ele não está preocupado com o não repasse dos recursos do governo federal e Estadual para Porto Alegre.

Ele desconsidera que a crise jogou para Porto Alegre milhares de novos pacientes que deixaram de ser atendidos no interior do RS.

É o neopopulismo tentando provar que é a anti-política que vai resolver o problema dos cidadãos, a exemplo do que acontece com o Trump”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

No rastro do recorde de ACM
A escolha entre mudar e contornar
Deixe seu comentário
Pode te interessar