Domingo, 28 de novembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Governo aprova dose de reforço contra a covid para profissionais da saúde

Compartilhe esta notícia:

Haverá aplicação de primeira, segunda e terceira dose em pontos específicos da Capital. (Foto: Cristine Rochol/PMPA)

O Ministério da Saúde anunciou nesta sexta-feira (24) que aprovou a dose de reforço para médicos, enfermeiros e outros profissionais da área. O anúncio é uma ampliação do público, já que antes a aplicação da vacina era liberada pela pasta apenas para os idosos acima de 70 anos e imunossuprimidos.

“Acabamos de aprovar a dose de reforço para profissionais de saúde, preferencialmente com a Pfizer, a partir de seis meses após a imunização completa”, escreveu o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em seu perfil no Twitter.

Queiroga está em quarentena em Nova York, onde teve um teste positivo para covid-19 antes do que seria seu voo de retorno ao Brasil após acompanhar o presidente Jair Bolsonaro na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Em agosto, quando anunciou que o reforço seria administrado, Queiroga chegou a anunciar que os médicos e demais profissionais da área estariam no público prioritário. Como a previsão não se confirmou, a categoria cobrava a inclusão.

A prefeitura de São Paulo relata que houve crescimento da contaminação desses trabalhadores, principalmente que atuam na linha de frente da pandemia e liberou a lista da xepa aos profissionais de saúde.

A vacinação com a dose de reforço para os dois primeiros públicos foi liberada pelo governo federal a partir de 15 de setembro.

Assim como os profissionais de saúde, podem tomar o reforço os idosos com mais de 70 anos que completaram o esquema vacinal há mais de seis meses. No caso das pessoas com baixa imunidade (imunossuprimidos), é preciso ter tomado a segunda dose há ao menos 28 dias.

Imunossuprimidos

As pessoas com baixa imunidade são chamadas de imunossuprimidas ou imunocomprometidas.

Esse grupo considera, por exemplo, pessoas com câncer, pessoas vivendo com HIV, transplantados e outros com o sistema imune fragilizado, o que deixa o paciente mais suscetíveis a infecções.

— Pessoas transplantadas de órgão sólido ou de medula óssea;

— Pessoas com HIV e CD4 <350 células/mm3;

— Pessoas com doenças reumáticas imunomediadas sistêmicas em atividade e em uso de dose de prednisona ou equivalente > 10 mg/dia ou recebendo pulsoterapia com corticoide e/ou ciclofosfamida;

— Pessoas em uso de imunossupressores ou com imunodeficiências primárias;

— Pessoas com neoplasias hematológicas;

— Pacientes oncológicos que realizaram tratamento quimioterápico ou radioterápico nos últimos seis meses.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Pesquisa de opinião diz que 80% dos brasileiros acham que a pandemia está em parte ou totalmente controlada
Brasil registra 19.438 novos casos de coronavírus e 699 mortes em 24 horas
Deixe seu comentário
Pode te interessar