Sexta-feira, 18 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Fair

Bem-Estar Imunidade contra o coronavírus por histórico de resfriados ainda é especulação, diz estudo

Compartilhe esta notícia:

Cientistas imaginam que o histórico pode influenciar na intensidade da doença, mas ainda não podem provar

Foto: Reprodução
Cientistas imaginam que o histórico pode influenciar na intensidade da doença, mas ainda não podem provar. (Foto: Reprodução)

Uma pesquisa publicada na terça-feira (04) na revista científica “Science”, uma das mais importantes do mundo, identificou partes do novo coronavírus (Sars-CoV-2) que podem ser reconhecidas pelo sistema de defesa do corpo mesmo que ele nunca tenha tido contato com a infecção, pela semelhança com alguns vírus que causam resfriados.

Essa semelhança, entretanto, não significa que ter tido resfriados no passado dê alguma proteção contra a Covid-19. No estudo, os pesquisadores destacam que essa possibilidade é uma especulação que ainda precisa ser provada com ensaios clínicos.

“A hipótese de imunidade cruzada entre Sars-CoV-2 e [vírus] HCoVs para resfriado comum ainda aguarda ensaios experimentais”, afirmam os pesquisadores, de três universidades nos Estados Unidos e uma na Austrália.

Eles já sabiam, de estudos anteriores feitos em vários países, que uma parte da população (entre 20% e 50%) era capaz de “reconhecer” pedaços do novo coronavírus mesmo sem ter tido contato com ele. Esse reconhecimento é feito com as células T, um tipo de célula de defesa do corpo que é responsável por, além de outras atividades, destruir células infectadas com vários tipos de vírus (não só o Sars-CoV-2).

O que os cientistas não sabiam, entretanto, é como essas células T eram capazes de reconhecer o novo coronavírus sem nunca ter sido expostas a ele. Para tentar desvendar esse mecanismo, eles mapearam 142 partes do novo coronavírus que, em indivíduos infectados, eram “reconhecidas” pelas células T.

Depois, testaram, em laboratório, esses pedaços de vírus contra outras células T, retiradas de amostras de sangue colhidas antes do surgimento do novo coronavírus. Dessa forma, teriam certeza de que as células de defesa nunca teriam tido contato com o Sars-CoV-2.

Nos testes, viram que houve reação dessas células a algumas partes do novo coronavírus. Com isso, demonstraram que as células tinham uma “memória cruzada”, que conseguia identificar partes do vírus da Covid-19 que eram semelhantes às de vários outros vírus da família corona, causadores de resfriados. Por isso é que as células das amostras eram capazes de identificar esses pedaços, de outros vírus, no Sars-CoV-2.

“Eles mostraram o mecanismo: você vê a célula reconhecendo ou não”, explica Natália Machado Tavares, pesquisadora de imunologia e patologia da Fiocruz Bahia. “Isso não quer dizer que quem teve um resfriado comum causado por um coronavírus está imune”, esclarece.

No estudo, os cientistas levantam essa hipótese: de que essa “memória” das células T pode ter relação com a gravidade com que uma pessoa desenvolve a Covid-19. Ou seja: poderia explicar por que algumas pessoas morrem enquanto outras têm apenas sintomas leves, ou nem sequer os apresentam. Mas isso não tem comprovação, frisam os autores.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Bem-Estar

Mega-Sena acumula e próximo prêmio pode pagar R$ R$ 6,5 milhões
A Flórida superou 500 mil contágios por coronavírus
Deixe seu comentário
Pode te interessar