Sábado, 22 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Mostly Cloudy

Brasil Inquérito da morte de Caroline Bittencourt indicia marido dela por homicídio culposo

Se for oferecida denúncia, o empresário vai responder judicialmente pela morte da esposa. (Foto: Reprodução/Instagram)

A Polícia Civil concluiu na sexta-feira (16) o inquérito sobre a morte da modelo Caroline Bittencourt e indiciou o marido dela, o empresário Jorge Nogueira Sestini, por homicídio culposo (quando não há a intenção de matar). O documento foi encaminhado ao Ministério Público para manifestação. Não há prazo para análise.

Se for oferecida denúncia, o empresário vai responder judicialmente pela morte da esposa. A promotoria pode ainda solicitar novas diligências à polícia ou indicar à Justiça o arquivamento.

A modelo morreu ao cair de uma lancha durante um vendaval que atingiu o litoral norte de São Paulo no dia 28 de abril.

No documento, o delegado Vanderlei Pagliarini de Almeida Filho, responsável pela investigação, considerou que Jorge, piloto da embarcação onde estava o casal, agiu de forma imprudente ao atravessar o canal entre São Sebastião e Ilhabela em um veículo não indicado para navegar em condições de tempo ruim. Ventos de mais de 100 km/h atingiram o mar no dia do afogamento da modelo.

A investigação apontou também, com base em relatos e provas oferecidas por uma testemunha, que Jorge sabia da possibilidade de mau tempo. Em depoimento, Leonildo de Oliveira, proprietário da marina de onde saiu a lancha do casal, afirmou à polícia e entregou áudios em que comprovava que avisou Jorge sobre as condições climáticas.

No inquérito, a polícia ainda afirma que Jorge foi negligente a não aconselhar ou mesmo exigir que Caroline utilizasse o colete salva vidas. Ela caiu no mar quando a lancha foi atingida lateralmente por uma onda.

Ao ser arremessada, o marido pulou na água para tentar fazer o resgate, mas não conseguiu. O corpo dela foi achado um dia depois do acidente. O laudo do IML apontou que Caroline morreu por ‘asfixia mecânica por submersão em meio líquido’.

Outro lado

Jorge Nogueira Sestini foi procurado, por meio do pai, Alfredo Sestini, e não quis se manifestar sobre o assunto.

Em depoimento prestado à polícia em uma delegacia em São Paulo, como parte do inquérito, Jorge argumentou que nem ele, nem a esposa, colocaram coletes porque no momento da partida da lancha, as condições climáticas estavam normais e não acharam necessário.

Se for condenado pela morte, a pena por homicídio culposo é de 1 a 3 anos de detenção.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Quantidade de cirurgias plásticas com fins estéticos cresce no Brasil
Templo budista cria monge robótico para atrair público jovem no Japão
Deixe seu comentário
Pode te interessar