Sexta-feira, 18 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fog

Política Justiça determina que Bolsonaro pague honorários de processo contra o ex-deputado Jean Wyllys

Compartilhe esta notícia:

"Ignorante, racista e desonesto" foram algumas das ofensas feitas por Jean Wyllys contra Bolsonaro

Foto: Gabriela Korossy/Câmara dos Deputados
"Ignorante, racista e desonesto" foram algumas das ofensas feitas por Jean Wyllys contra Bolsonaro. (Foto: Gabriela Korossy/Câmara dos Deputados)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi condenado a pagar as custas processuais e os honorários advocatícios relativos a um processo que propôs em 2017 contra o então deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ).

Bolsonaro, que também era deputado na época, acusou o colega de calúnia, injúria e difamação por tê-lo chamado de “ignorante, racista e desonesto”, entre outras ofensas, durante entrevista a um jornal.

Wyllys alegou que estava protegido pela imunidade parlamentar. A Justiça do Rio de Janeiro deu razão a ele, em decisão de fevereiro de 2019, condenando Bolsonaro ao pagamento de custas e honorários. Foi apresentado recurso, mas o Judiciário emitiu nova decisão determinando que o presidente pague o valor devido (cerca de R$ 2,5 mil) no prazo de até 15 dias, a partir da notificação, sob pena de multa de 10%.

Em setembro de 2017, Bolsonaro propôs a ação, cobrando indenização de R$ 20 mil pelas críticas feitas por Wyllys. Em uma entrevista ao jornal O Povo, publicada em 11 de agosto daquele ano, o deputado do PSOL classificou o então colega como “fascista”, “desonesto”, “responsável por lavagem de dinheiro e caixa 2”, “burro”, “ignorante”, “desqualificado”, “racista”, “corrupto”, “canalha”, “nepotista” e “boquirroto”.

Para Bolsonaro, as ofensas configuraram calúnia, injúria e difamação porque foram proferidas fora da sede do Parlamento e afastadas do contexto da atividade parlamentar. Ele pediu à Justiça que também obrigasse Wyllys a se abster de proferir expressões ofensivas à sua honra.

Em sua defesa, Wyllys afirmou que sua manifestação tinha conexão com o mandato parlamentar e por isso era protegida pela imunidade parlamentar prevista no artigo 53 da Constituição Federal.

Em fevereiro de 2019, a juíza Marcia Correia Hollanda, da 47ª Vara Cível da Comarca do Rio, considerou que o deputado do PSOL não havia cometido crime, por estar protegido pela imunidade em função de seu cargo, e condenou Bolsonaro a pagar “custas judiciais, despesas e taxa, além de honorários advocatícios de 10% sobre o valor atribuído à causa”.

Houve recurso, mas, na última sexta-feira (07), o juiz Leonardo de Castro Gomes emitiu nova decisão determinando prazo de 15 dias para o pagamento do débito. “Fica a parte advertida de que, não ocorrendo o pagamento naquele prazo, o débito será acrescido de multa de 10% e de honorários de 10%. Efetuado o pagamento parcial no prazo previsto, a multa e os honorários incidirão sobre o restante. Não efetuado tempestivamente o pagamento voluntário, será expedido, desde logo, mandado de penhora e avaliação, seguindo-se os atos de expropriação”, diz a decisão.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Justiça determina que empresas apresentem plano para solucionar problemas ambientais no lago do Parcão, em Porto Alegre
Prefeitura de Porto Alegre realiza cadastramento de espaços culturais para a Lei Aldir Blanc
Deixe seu comentário
Pode te interessar