Sexta-feira, 18 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Fair

Brasil A Justiça Federal nega pedido para soltar o secretário dos transportes de São Paulo

Compartilhe esta notícia:

A defesa de Alexandre Baldy disse que a prisão é descabida e as providências para sua revogação serão tomadas. (Foto: Marcelo Camargo/ABr)

O desembargador federal Abel Gomes, da Primeira Turma Especializada do TRF2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região), negou nesta sexta-feira (7) uma liminar pedida em habeas corpus por Alexandre Baldy, secretário dos transportes metropolitanos do Estado de São Paulo, atualmente licenciado do cargo. Ele teve a prisão temporária decretada pela primeira instância da Justiça Federal do Rio de Janeiro na Operação Dardanários, desdobramento da Operação SOS, que apura fraudes em contratações da Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro. O mérito do recurso ainda será julgado pela turma.

Segundo a acusação do Ministério Público Federal, Alexandre Baldy supostamente teria recebido propinas da Organização Social Pró-Saúde, para favorecê-la em contratações com o poder público. Os repasses teriam sido feitos quando Baldy exercia os mandatos de deputado federal e, depois, de ministro das Cidades, no governo Temer.

A Operação Dardanários foi deflagrada na quinta-feira (6) e também resultou na prisão, dentre outros, de Rafael Bastos Lousa Vieira, que também teve liminar negada pelo desembargador Abel Gomes.

Em sua defesa, o secretário licenciado alegou a incompetência da Justiça Federal de primeiro grau para julgar o caso, já que a Constituição Estadual de São Paulo lhe asseguraria o direito ao foro especial por prerrogativa de função.

Abel Gomes, no entanto, rebateu o argumento. O magistrado explicou, em sua decisão, que a ação teve início no Supremo Tribunal Federal, que declinou da competência para a primeira instância em razão de o acusado não mais ocupar cargo de ministro de Estado e de o caso ter conexão com os fatos apurados na Operação SOS, que tramita na Justiça Federal fluminense. Para o STF, o direito ao foro especial só existiria se os fatos investigados tivessem relação com o atual cargo de secretário estadual.

O relator no TRF2 entendeu que a questão da competência deverá ser analisada no julgamento do mérito do HC, pela Primeira Turma Especializada: “A prerrogativa de foro do paciente foi objeto de detido na origem [STF], não havendo que se falar em ausência de fundamentação ou manifesta teratologia [decisão absurda], devendo a matéria ser analisada com a devida profundidade no julgamento de mérito pelo Colegiado”, escreveu.

Ainda, Abel Gomes considerou que a ordem de prisão temporária foi devidamente fundamentada: “Com relação à imprescindibilidade da medida, até mesmo em razão da quantidade de material arrecadado e dos múltiplos alvos da investigação não se pode também neste momento inicial firmar definição monocraticamente, cabendo colher as informações da autoridade impetrada [o juiz de primeiro grau] a respeito da investigação ainda em fase embrionária”, concluiu.

Alexandre Baldy disse por meio de sua assessoria de comunicação que foi desnecessário e exagerado determinar uma prisão por supostos fatos de 2013, ocorridos em Goiás, dos quais sequer participou. A defesa disse que a medida é descabida e as providências para sua revogação serão tomadas.

O secretário tem sua vida pautada pelo trabalho, correção e retidão. Sempre esteve à disposição para esclarecer qualquer questão, jamais foi questionado ou interrogado, com todos os seus bens declarados, inclusive os que são mencionados nesta situação”, diz a nota. As informações são do TRF2 e da Agência Brasil.

 

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

O Supremo decide que as obrigações tributárias aplicadas a um dos Poderes não são extensivas aos demais
Dólar supera R$ 5,40 e fecha no maior valor desde junho
Deixe seu comentário
Pode te interessar