Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Fair

Porto Alegre Justiça indefere pedido de liminar para reabertura do Mercado Público

Compartilhe esta notícia:

Local está fechado, embora supermercados estejam abertos.

Foto: Maria Ana Krack/PMPA
Fechamento do local foi determinado pela prefeitura para evitar aglomerações. (Foto: Maria Ana Krack/PMPA)

A 4ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre indeferiu, nesta segunda-feira (13), pedido liminar da Associação do Comércio do Mercado Público de Porto Alegre para a reabertura do Mercado Público. No mandado de segurança, a entidade questionava a legalidade do decreto municipal 20.639, que determinou o fechamento do local, como medida da prefeitura para enfrentamento ao coronavírus. Ao indeferir o pedido, o juiz Fernando Carlos Tomasi Diniz considerou os argumentos da PGM (Procuradoria-Geral do Município).

A Associação alegava que o Mercado Público presta atividade relacionada à venda de alimentos, não havendo distinção em relação a mercados, supermercados e afins, que estão autorizados a funcionar.

Nas redes sociais também surgiram diversos comentários questionando a diferença de tratamento entre os estabelecimentos.

Na judicial o juiz destacou as diferenças e especificidades do Mercado Público e a necessidade de assegurar o isolamento e distanciamento social, para evitar o agravamento da curva de contágio do coronavírus.

“Permitir aqui e acolá uma flexibilização do decreto municipal pode comprometer todo o esforço, não só do Executivo, como da população inteira, que se faz para esta fase passar o quanto antes e com menos gravidade possível”, afirma Diniz.

O mandado de segurança tramita no âmbito da força-tarefa constituída na PGM para tratar dos assuntos relativos à pandemia. Atuam no processo os procuradores Eduardo Tedesco e Maria Fernanda Oliveira.

“O Mercado Público tem características diferenciadas, que exigem tratamento especial, principalmente neste momento, objetivando sempre preservar a saúde e diminuir o contágio na cidade”, enfatiza Tedesco, que teria emitido a decisão a partir de informações técnicas das secretarias municipais de Saúde (SMS) e de Desenvolvimento Econômico (SMDE).

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Porto Alegre

Prefeitura recupera quase R$ 7,5 milhões devidos por empresa internacional
A Justiça determinou o o bloqueio dos bens de servidores municipais envolvidos em esquema de “rachadinha” no Interior gaúcho
Deixe seu comentário
Pode te interessar