Domingo, 31 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Fair

CAD1 Lewis Hamilton gostaria de ter guiado ao lado de seu “piloto favorito” Ayrton Senna

Compartilhe esta notícia:

Hamilton está próximo de conquistar seu sexto título mundial. (Foto: Reprodução)

Lewis Hamilton disse que gostaria de ter sido companheiro de equipe de Ayrton Senna e guiar ao lado do tricampeão mundial. É sabido que Hamilton tem forte admiração pelo ídolo brasileiro.

Hamilton está próximo de conquistar seu sexto título mundial, que pode ser garantido no México no próximo fim de semana e sempre homenageou Senna – incluindo o “amarelo” de seu capacete original.

“Eu cresci nos anos 80, então meu piloto favorito era Ayrton. E ainda é hoje”.

“Ele seria o parceiro com quem eu adoraria trabalhar. Guiando na mesma equipe, você pode aprender muito e você pode realmente se comparar com essa pessoa porque tem o mesmo material.”

“Gostaria de correr no final dos anos 80 ou início dos anos 90. Gostei daqueles carros com pneus largos, chassi muito baixo, caixa de câmbio manual … E os motores V10 e V12 pareciam ótimos.”

“Reescrevendo a história”

O diretor da F1, Ross Brawn, diz que Lewis Hamilton tem sido a figura-chave nas seis temporadas de domínio da Mercedes, pois garantiu o sexto título consecutivo nos construtores no Japão no fim de semana passado. Somente Hamilton e Valtteri Bottas podem faturar o título dos pilotos, e a Mercedes agora superou as cinco duplas da Ferrari no início dos anos 2000.

Hamilton venceu quatro dos cinco títulos anteriores e é o favorito para conquistar o quinto nesta temporada, seu sexto no total. Nico Rosberg venceu outro em 2016.

Brawn fazia parte da equipe da Ferrari que dominou a F1 quase duas décadas atrás, com Michael Schumacher ao volante, mas ele acredita que Hamilton está reescrevendo a história do esporte.

Ele disse em sua coluna sobre o GP do Japão: “Grande parte desse sucesso se deve a Lewis Hamilton, um piloto incrível que está reescrevendo a história desse esporte de uma maneira totalmente única.

“É sempre difícil estabelecer o quanto cabe ao carro e quanto ao piloto, mas no final, para mim, é a equipe que conta mais. A Fórmula 1 é um esporte de equipe e mesmo se o piloto for a estrela do show ele não pode vencer sem um time atrás dele.

“A Mercedes atingiu um nível mais alto do que seus rivais e até agora tem sido quase imbatível.

“No entanto, sem querer dar más notícias, mais cedo ou mais tarde o vento muda. É a lei da selva em todos os esportes. Mas não importa o que aconteça, as realizações dos homens e mulheres de Brackley, Brixworth e Stuttgart sempre estarão nos livros de história”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de CAD1

Taça Libertadores: a Conmebol reafirmou a final em Santiago, apesar de protestos
Bolsonaro prevê nova troca na articulação política de seu governo
Deixe seu comentário
Pode te interessar