Quinta-feira, 02 de Abril de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Mostly Cloudy

Brasil Mais de dois milhões de pessoas não sacaram o abono do PIS e perderam até 998 reais

A reforma trabalhista está em vigor há dois anos. (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Mais de dois milhões de trabalhadores que tinham direito de receber até R$ 998 de abono do PIS/Pasep não sacaram o dinheiro no prazo e perderam o benefício. O período de saques terminou em 28 de junho.

Tinha direito ao abono quem trabalhou com carteira assinada por pelo menos 30 dias em 2017, dentre outras condições. O valor variava de R$ 84 a R$ 998, de acordo com o tempo trabalhado naquele ano.

O Ministério da Economia informou hoje que o dinheiro que seria destinado ao pagamento, somando R$ 1,3 bilhão, voltará ao FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador). Porém, já houve casos de trabalhadores que conseguiram na Justiça o direito de receber o dinheiro após o fim do prazo. O ministério orienta que quem perdeu o prazo procure uma unidade de atendimento da Secretaria de Trabalho ou ligue para o número 158 para se informar.

Quem tinha direito?

Quem trabalhou com carteira assinada por pelo menos 30 dias em 2017; ganhou, no máximo, dois salários mínimos, em média, por mês; estava inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos; era preciso que a empresa onde trabalhava tenha informado os dados corretamente ao governo.

Quanto foi pago?

O valor do abono é de até um salário mínimo (R$ 998 em 2019) e varia de acordo com o tempo que a pessoa trabalhou. Se ela trabalhou o ano todo, recebeu um salário mínimo. Se trabalhou um mês, ganhou proporcionalmente: 1/12 do salário mínimo.

Segundo o Ministério da Economia, os valores são arredondados para cima. Quem trabalhou por um mês, por exemplo, teria direito a R$ 83,17 de abono. Com o arredondamento, o trabalhador recebeu R$ 84.

Economia

Sacado por 22,6 milhões de trabalhadores nos últimos 11 meses, o abono salarial ano-base 2017 injetou R$ 17,3 bilhões na economia. A informação foi divulgada na sexta-feira (5) pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia. A quantia representa 91,72% do valor disponível para ser pago.

Um total de 2,04 milhões de trabalhadores não retirou o benefício, cujo prazo para saque terminou em 28 de junho. De acordo com a Secretaria de Trabalho. O dinheiro, equivalente a R$ 1,32 bilhão, ficou retido no FAT.

A maior quantidade de benefícios não sacados se concentrou na Região Sudeste, onde 1.001.660 de trabalhadores não retiraram o abono. Em seguida, vêm as Regiões Sul (400.208) e Nordeste (296.451). No Centro-Oeste, 212.493 não sacaram o benefício; e no Norte, 127.605 trabalhadores não fizeram o saque.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Bolsonaro e seu ministro da Economia em rota de colisão
Moro pode ser candidato a vice na chapa de Bolsonaro em 2022
Deixe seu comentário
Pode te interessar