Quinta-feira, 09 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
11°
Mostly Cloudy

Porto Alegre Manifestantes a favor e contra Bolsonaro voltaram a trocar provocações no Centro de Porto Alegre

Compartilhe esta notícia:

Reforço no policiamento impediu incidentes de maior gravidade. (Foto: Divulgação/Psol)

Na tarde fria e nublada deste domingo (31), o Centro Histórico de Porto Alegre voltou a ser palco de manifestações a favor e contra o governo do presidente Jair Bolsonaro. A área escolhida foi a mesma: as imediações do quartel do CMS (Comando Militar do Sul), na Rua da Praia. Apesar do clima de provocação e da proximidade entre os grupos, o policiamento reforçado impediu incidentes mais graves.

A BM (Brigada Militar) havia recebido informações de seu serviço de inteligência, indicando que desta vez a presença de pessoas seria mais intensa que a verificada em outros três fins de semana desde abril. Com o auxílio da EPTC (Empresa Pública de Transporte e Circulação), a corporação optou por isolar um perímetro pelo menos seis quadras, causando desvios no tráfego de veículos.

Além disso, diversos policiais reforçaram as ações na área, impedindo que o acirramento de ânimos, em meio a ofensas e outras hostilidades, resultasse em agressões e atos de vandalismo. Um dos momentos mais tensos foi quando um “bolsonarista” sofreu um empurrão e acabou caindo durante bate-boca com militantes pró-governo, no entanto a chegada de brigadianos permitiu que ele deixasse rapidamente o local.

Rivalidade

Repetindo um comportamento já observado nos protestos anteriores, os defensores de Bolsonaro totalizam cerca de 50 manifestantes. A maioria vestia verde-e-amarelo e vociferava palavras-de-ordem a favor da atual gestão federal e reivindicando medidas como o fechamento do Congresso Nacional e do STF (Supremo Tribunal Federal). Alguns deles se dirigiriam depois ao Parcão, no bairro Moinhos de Vento.

Do lado oposto, cerca de 200 indivíduos vestidos de preto pediam o fim do governo de Jair Bolsonaro, defendiam a manutenção do regime democrático no País e acusavam o grupo rival de alienação, fascismo e conivência com a suposta negligência do presidente da República em relação à pandemia de coronavírus. Após o ato público, vários deles seguiram em passeata pela Rua da Praia. No próximo fim de semana, eles devem retornar à área dos quartéis, assim como seus rivais políticos.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Porto Alegre

Diagnósticos positivos de coronavírus seguem em alta no Rio Grande do Sul e casos fatais já totalizam 224
Os Estados Unidos registram mais 598 mortes em 24 horas por coronavírus
Deixe seu comentário
Pode te interessar