Domingo, 03 de julho de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Saúde Marca de vacina no braço indica proteção contra varíola dos macacos? Veja o que se sabe sobre a imunização

Compartilhe esta notícia:

A transmissão viral se dá por meio de fluidos corporais, gotículas e materiais contaminados. (Foto: Reprodução/Twitter)

Quem está protegido contra os casos da varíola dos macacos (monkeypox, em inglês)? Há necessidade de vacinação como já anunciam alguns países pelo mundo? No Brasil não existe previsão de nova campanha, mas e quem já tomou a vacina contra a varíola tradicional no passado? Consegue identificar pela cicatriz no braço que foi imunizado?

Para responder a essas e outras questões, especialistas falam sobre o tema. Veja a seguir, perguntas e respostas sobre a doença.

1) Quando a vacina contra a varíola humana (smallpox) foi oferecida?

Quem não conhece a história ou já ouviu falar algo a respeito da Revolta da Vacina, a série de rebeliões populares que uma parte da população do Rio de Janeiro desencadeou no final de 1904?

Na época, o Rio vivia um aumento expressivo no número de internações ocasionadas pela varíola humana (que não deve ser confundida com a varíola dos macacos), mesmo assim, uma parte da população era contra a ideia de se imunizar com aquela que foi a primeira vacina bem-sucedida a ser desenvolvida na história da saúde pública.

A alegação à época pode soar parecida se transportada para os dias de hoje: boatos e informações falsas faziam a população acreditar que a campanha de imunização obrigatória, liderada pelo médico Oswaldo Cruz, iria provocar feições bovinas e outras deformidades do tipo porque o líquido da vacina era produzido a partir de vacas doentes.

Foi somente anos depois, em 1908, quando uma nova epidemia aumentou expressivamente o número de casos que a população correu voluntariamente para se imunizar.

E décadas mais tarde, depois de muitos avanços científicos, em 1971, com uma vacina mais moderna e graças a uma intensa campanha de imunização global encabeçada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a varíola humana – que chegava a apresentar um índice de 30% e mortalidade – foi declarada erradica no Brasil.

“Erradicar é diferente de controlar. Erradicar é tirar o germe do meio ambiente completamente. E isso só foi alcançado até hoje com a varíola”, explica Tania Maria Fernandes, Casa de Oswaldo Cruz/Fundação Oswaldo Cruz.

No mundo todo, os últimos casos da doença foram registrados em 1979 e a varíola foi erradicada. No ano seguinte, a Assembleia Mundial da OMS recomendou que todos os países cessassem suas campanhas de vacinação.

Estudos apontam que a vacinação contra a varíola humana (smallpox) é cerca de 85% eficaz na prevenção da varíola dos macacos. Mas como essa varíola foi erradicada há mais de 40 anos, atualmente não temos vacinas disponíveis para o público em geral (somente um seleto grupo de pessoas, como alguns profissionais de saúde, receberam o imunizante nos últimos anos).

2) Como saber quem foi imunizado no Brasil em campanhas no passado?

A famosa marca da vacina BCG, um dos primeiros imunizantes aplicados em bebês e que protege contra a tuberculose, é resultado de uma reação imunológica à vacina.

E a vacina contra a varíola também causa uma reação semelhante. Mas dá para saber qual foi o imunizante aplicado só ao olhar para a marquinha no nosso braço?

John Ross, professor assistente de medicina em Harvard e especialista em doenças infecciosas, levantou essa dúvida em uma rede social. A postagem em que o médico afirmava que sim, era possível diferenciar a marca, teve repercussão no Twitter, mas logo ele se retratou e retirou do ar a informação.

O especialista explicou que em geral, as cicatrizes de BCG são menores e menos propensas a terem um sulco do que as cicatrizes de varíola, mas que, mesmo para um profissional de saúde, pode ser impossível identificar a marca, tendo em vista que algumas pessoas têm reações “impressionantes”.

“A coisa mais útil é a idade de uma pessoa. [Nos Estados Unidos e no Canadá] as pessoas nascidas na década de 1960 e antes disso certamente tomaram a vacina contra a varíola”, diz.

No Brasil, Fernandes explica que é “impossível” saber ao certo quem foi o público vacinado, mas ressalta que, depois de 1971, ninguém mais foi imunizado contra varíola no País.

Além disso, a pesquisadora da Fiocruz pontua que, como em todas campanhas de vacinação, atingir a marca de 100% da população vacinada é algo muito difícil de acontecer. “Isso não temos dúvida. Nunca se alcança isso. Dependendo da doença, algo em torno de 70%, 80% já caminha para um controle de doença”, diz.

Outro fator importante é que, como a campanha terminou há muito tempo, muitas pessoas não têm guardado seu comprovante de vacinação. Na época, não existia nem mesmo uma carteirinha como a dos moldes de hoje.

3) Quais são as vacinas que temos hoje contra a varíola? Elas são eficazes contra a varíola dos macacos?

As duas vacinas atuais são a ACAM2000, da Sanofi Pasteur, e a JYNNEOS (também conhecida como Imvamune ou Imvanex), da Bavarian Nordic. Nenhuma delas está amplamente disponível.

A ACAM2000 é administrada em dose única por via percutânea. Nos Estados Unidos, ela pode ser usada na imunização de pessoas com pelo menos 18 anos de idade e com alto risco de infecção por varíola.

Já a JYNNEOS, uma vacina de vírus vivo atenuado, está licenciada para uso nos EUA para prevenir a varíola dos macacos e a varíola humana. É esse imunizante que, em estudos clínicos, mostrou ser 85% eficaz na prevenção da varíola dos macacos.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Filho de Ivete Sangalo põe videogame à venda para comprar prancha nova
Cinco sinais que indicam problemas na tireoide
Deixe seu comentário
Pode te interessar