Sexta-feira, 23 de Outubro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
20°
Fair

Ciência Média de mortes por Covid-19 no Brasil cai 10,35% em uma semana

Compartilhe esta notícia:

Dados são da Fundação Oswaldo Cruz.

Foto: Itamar Crispim/Fiocruz
Dados são da Fundação Oswaldo Cruz. (Foto: Itamar Crispim/Fiocruz)

A média diária de mortes por Covid-19, de acordo com a média móvel de sete dias, no Brasil chegou a 687,86 casos na sexta-feira (25), segundo dados da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). Houve queda de 10,35%, ou 79,23 registros a menos, em relação à sexta-feira anterior (18), quando haviam sido registradas 767,29 mortes.

A média móvel de sete dias é calculada somando-se o número de mortes nesse intervalo de tempo (o dia de referência mais os seis dias anteriores) e dividindo-se o total por sete. Com isso, é possível reduzir o impacto de oscilações diárias.

Esse é o menor número médio de mortes desde o dia 9 de setembro (682,86). O pico de mortes (1.095,14) foi atingido em 25 de julho. Desde então, apresentou tendência de queda (com oscilações e leves altas) até o dia 9 de setembro. Depois disso, as mortes voltaram a aumentar até chegarem a 814,57 no último dia 15 e depois caíram novamente.

A média diária, de acordo com a média móvel de sete dias, de novos casos é de 27.587,86. Também aqui há uma tendência de queda, mas desde o dia 16 de setembro, quando foram registrados 31.374,86 novos casos.

Entre os Estados, há aqueles que apresentaram na última semana altas e aqueles que apresentaram queda. Entre as quedas, destacam-se Rondônia (-46%), Pará (-43,34%), Santa Catarina (-26,17%) e Rio Grande do Sul (-20,26%).

Entre as altas ocorridas do dia 18 de setembro até sexta aparecem Paraíba (17,5%), Sergipe (15,29%), Espírito Santo (12,44%). Roraima e Rio Grande do Norte não tiveram seus dados divulgados na sexta.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Parceria entre Sebrae RS e SESI leva o tema empreendedorismo aos alunos do Ensino Médio
A Organização Mundial da Saúde disse que as mortes por coronavírus podem dobrar para 2 milhões antes de vacina
Deixe seu comentário
Pode te interessar