Terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Partly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Polícia Mercadorias importadas ilegalmente, avaliadas em 4 milhões de reais, são apreendidas em rodovia federal no RS

Compartilhe esta notícia:

A carga estava em uma carreta que foi abordada na BR-290, em Cachoeira do Sul

Foto: PRF/Divulgação
A carga estava em uma carreta que foi abordada na BR-290, em Cachoeira do Sul. (Foto: PRF/Divulgação)

A PRF (Polícia Rodoviária Federal) prendeu dois homens que transportavam grande quantidade de mercadorias importadas ilegalmente na BR-290, em Cachoeira do Sul, na Região Central do RS. A carga, avaliada em R$ 4 milhões, foi apreendida na tarde de terça-feira (11).

Durante fiscalização na rodovia, os policiais deram ordem de parada ao motorista de uma carreta com placas de Santana do Livramento, na Fronteira Oeste. Ele desobedeceu e seguiu em fuga por alguns metros, até parar o veículo perto de uma lavoura de soja e fugir correndo junto com um passageiro.

Os dois criminosos foram alcançados pelos agentes e capturados. Ao vistoriarem o compartimento de carga da carreta, os policiais encontraram grande quantidade de equipamentos eletrônicos, jarras elétricas e brinquedos de origem estrangeira importados ilegalmente.

O motorista, de 32 anos, natural de Santana do Livramento, flagrado em 2013 cometendo o mesmo crime, disse aos policiais que pegou a carreta em um posto de combustíveis, localizado próximo à fronteira com o Uruguai, e levaria o veículo até Porto Alegre.  O passageiro, de 21 anos, também de Santana do Livramento, não possuía antecedentes criminais.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Polícia

Em meio à forte onda de calor desta semana, termômetros podem registrar até 40 graus no Rio Grande do Sul
“O cara ficou em casa, apoiou e agora quer me culpar da inflação”, diz Bolsonaro ao criticar medidas restritivas
Deixe seu comentário
Pode te interessar