Sábado, 25 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Porto Alegre Ministério Público do RS denuncia ex-vereador de Porto Alegre Valter Nagelstein por racismo

Compartilhe esta notícia:

Se condenado, Nagelstein pode pegar pena de dois a cinco anos de reclusão.

Foto: Divulgação
(Foto: Divulgação)

O MP-RS (Ministério Público do Rio Grande do Sul) denunciou nesta quinta-feira (15) o ex-vereador Valter Nagelstein por racismo. A promotora Ivana Machado Battaglin pontua que no dia 17 de novembro do ano passado o político praticou, induziu e incitou discriminação e preconceito de raça, cor e etnia ao compartilhar áudio sobre integrantes da nova legislatura da Câmara de Vereadores de Porto Alegre.

Descontente com o resultado do último pleito, o denunciado falou que “fica cada vez mais evidente que a ocupação que a esquerda promoveu nos últimos quarenta anos da universidade, das escolas, do jornalismo e da cultura produzem os seus resultados. Basta a gente ver a composição da Câmara: cinco vereadores do PSOL, muitos deles jovens, negros. Quer dizer, o eco àquele discurso que o PSOL foi incutindo na cabeça das pessoas. Vereadores estes sem nenhuma tradição política, sem nenhuma experiência, sem nenhum trabalho e com pouquíssima qualificação formal”.

Se condenado, Nagelstein pode pegar pena de dois a cinco anos de reclusão.

A promotora também pediu que seja fixado valor mínimo para reparação dos danos causados. “É dever de todos, Estado, instituições e a comunidade em geral, reconhecer a existência manifesta do racismo estrutural e estruturante, que permeia toda a sociedade. Fingir que racismo não existe, ou desculpar as agressões racistas sob o argumento falacioso de que não se trata de atos de discriminação racial, é reforçar essa violência contra a população negra, já tão vilipendiada ao longo da história do Brasil. Nesse passo, o Ministério Público tem o dever de atuar conforme os ditames legais e constitucionais, promovendo a devida reparação, não só às vítimas diretas do crime praticado, mas também à toda coletividade de pessoas negras que são indiretamente atingidas”, diz a promotora.

A investigação partiu de uma representação do Movimento Negro Unificado, com a assinatura de cerca de 40 entidades e organizações civis.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Porto Alegre

Porto Alegre vacina pessoas a partir de 63 anos nesta sexta-feira; segunda dose também será aplicada
Brasil tem 3.774 mortes em 24 horas e supera marca de 365 mil vítimas por Covid-19
Deixe seu comentário
Pode te interessar